3 de dezembro de 2020
  • 19:47 Sobrinho de Bolsonaro, é nomeado para cargo no Senado com salário de R$21.4 mil
  • 17:09 Covid-19: Bolsonaro ignora reunião da ONU com 90 presidentes
  • 14:44 ABJD pede investigação contra Sergio Moro no Ministério Público Federal e na OAB do Paraná
  • 14:02 Recorde de mortes por Covid nos EUA, 3.157 em 24hs. O pior está por vir
  • 12:14 Vídeo: Centrão, o nome eleitoral do dinheiro no Brasil

“Acho que em nenhum momento a rachadinha parou”, disse o ex-líder do PSL na Câmara Delegado Waldir, sobre o qual Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) aparece negociando cargos no Congresso em troca de pagamentos.

O ex-líder do PSL na Câmara Delegado Waldir (GO) disse que o áudio no qual Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) aparece negociando cargos no Congresso Nacional em troca de pagamentos são novos “indícios de novas condutas criminosas” envolvendo o parlamentar.

O parlamentar diz acreditar que “em nenhum momento” o esquema montado por Queiroz junto aos gabinetes da família Bolsonaro tenha sido paralisado

“Acho que em nenhum momento a rachadinha [esquema no qual os servidores contratados entregam parte do salário ao parlamentar que os contratou] parou, e a decisão do Supremo Tribunal Federal previamente acordada foi equivocada”, afirmou o deputado ao jornal O Globo. A menção ao STF se deve à uma decisão da Corte que suspendeu as investigações do caso Queiroz.

“(O áudio) mostra que Queiroz continua operacionalizando, mostra indícios de novas condutas criminosas no Senado. Uma das propostas do nosso governo era o combate à corrupção. Ao fingir que a corrupção não ocorre, é visível que ele (Bolsonaro) se afastou das propostas de campanha, e nossa ala (do PSL) não aceita isso, ao contrário da ala bolsonarista”, disparou o Delegado Waldir.

 

 

*Com informações do 247

 

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: