4 de agosto de 2020
  • 20:46 O Antropofagista precisa do seu apoio
  • 19:10 Globonews entra em êxtase com a decisão de Fachin de blindar a Lava Jato
  • 17:43 Novo caso Marielle ou Adriano da Nobrega? Delegada que prendeu guru do MBL, foi baleada em casa
  • 15:49 Fachin revoga decisão de Toffoli que autorizou a PGR a acessar dados da Lava Jato.
  • 10:48 Aressa Rios: De que adianta ter voz se você não expressa sua verdade?

Depois do afastamento da promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho das investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco, membros do Ministério Público avaliam que ela também deveria deixar de integrar o Gaeco, que investiga casos de corrupção.

O afastamento da promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho das investigações dos assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista Anderson Gomes foi recebida com um certo alívio pelos integrantes do Ministério Público do Rio de Janeiro. De acordo com a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, agora ela estaria sendo pressionada a deixar o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que investiga casos de corrupção.

O afastamento da promotora do caso Marielle aconteceu logo após a divulgação das imagens em que aparecia fazendo campanha para Jair Bolsonaro ela teria sido ‘avisada de que, se não saísse, seria “saída”’.

Ainda segundo a reportagem, “novas conexões políticas reveladas em grupos de promotores nesta sexta (1º) ampliaram o desconforto”. Dentre as novas revelações estariam novas fotos onde a promotora aparece posando para fotos junto ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), em eventos sociais.

 

 

*Com informações do 247

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. José Cesar Pereira Posted on 2 de novembro de 2019 at 11:53

    Esta promotora, se continuar na ativa, vai acabar de desmoralizar o MP. Aliás Aras começa muito mal. Sentou em cima do processo, que deveria investigar os milicianos circulando no “Condomínio Bolsonaro-Milicianos”, em nome do “Seu Jair” e no dia do assassinato de Marielle. O “álibi de Bolsonaro” que não poderia ter falado com o porteiro pois estaria no Congresso foi prontamente aceito usado pelo “PGR terrivelmente fiel a Bolsonaro”, sem verificação ou perícia séria. Porém o álibi de Bolsonaro começa a ser desmascarado, uma vez que não havia interfone no condomínio. O contato do porteiro com o “Seu Jair” foi através de celular. Neste caso “Seu Jair”, ou alguém de sua confiança poderia atender mesmo se estivesse no “fim do mundo”. Apesar de todas as “armações” e a tentativa de intimidar e culpar o porteiro, a pergunta de quem mandou matar Marielle parece mais próxima de ser respondida. Algo me diz que Queiroz também pode ajudar mas seu depoimento parece ameaçar até os responsáveis pelas investigações. As autoridades parecem correr de Queiroz como o Diabo foge da Cruz. Isto é uma vergonha revoltante. Nunca o Brasil e o mundo precisaram tanto de Lula e do “Poder Que Emana do Povo” que potencialmente pode ser muitas vezes mais forte do que no Chile. #LulaLivre #ForaBolsonaro #LulaLivre #NovasEleiçõesJá

    Reply
  2. Leilane castello Posted on 4 de novembro de 2019 at 02:16

    Só p complementar: é a mesma Promotora q pediu o arquivamento do caso Amarildo! Sem conclusão!!!

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: