6 de julho de 2020
  • 22:49 Luis Nassif: Como se deixou a Lava Jato ir tão longe
  • 18:40 Nunca duvide da incapacidade de Guedes; o Real é a pior moeda do mundo no 1º semestre e risco Brasil dispara
  • 14:08 Vídeo: Padre, em sermão, diz que quem votou em Bolsonaro tem que se confessar por eleger bandido
  • 12:23 Wassef, advogado de Bolsonaro, desesperado, promete ‘explodir todo mundo ao vivo em rede nacional’
  • 10:59 FHC manda Bolsonaro se calar e Bolsonaro, servil a FHC, vai se calar

Cada país tem direito de adotar uma estratégia para sobreviver como nação, a dos americanos é fazer guerra. Por isso, desde que entraram, jamais saíram da guerra. Se não existe a guerra, eles a inventam e participam, direta ou indiretamente, porque guerras e golpes dão lucro aos EUA mais do que a qualquer outro país.

Então, o show não pode parar, nem que seja para alugar um bacamarte, a guerra é o alimento fundamental da economia americana. É difícil distinguir aonde termina a indústria americana e aonde começa a indústria bélica, uma alavanca a outra, seja para o expansionismo comercial, seja para impedir que outros países se desenvolvam industrialmente para que os EUA, o berço do capitalismo moderno, imprima sua lógica comercial na base da bala sobre forças limitadas, multiplicando seu poderio geopolítico e, consequentemente comercial. Isso, sem falar do próprio comércio da guerra com vendas pesadas de armamentos americanos.

O embate com a China é um exemplo disso. Mais do que perder cada fração do território comercial, antes dominado pelos EUA, inclusive dentro de seu próprio campo, os americanos estão diante de um impasse porque não têm resposta para enfrentar quem hoje manda no mundo dos manufaturados e, muito menos, como enfrentar a força bélica da China.

É um royal Straight flush. Por isso assistimos a essa briga de bêbado de Trump com a China, enquanto esta joga um xadrez muito bem calculado com os americanos. Qualquer passo em falso de Trump, os americanos perdem. Daí essa guerra declarada comercialmente dos EUA à China e os acordos comerciais feitos na surdina para marcar posições na política caseira de Trump.

Assim, a China não pode ser exatamente o inimigo perfeito para sustentar a imagem de um impostor como Trump, então, repete-se a velha forma que valia para seus interesses apontando para que, quem não fosse aliado, era inimigo. E se na guerra fria esses inimigos eram os comunistas, com o fim da União Soviética, o “terrorista” passou a ser a oliveira magnífica para todas as preocupações caseiras dos cidadãos norte-americanos.

O terrorista é uma espécie de bombril para os interesses dos EUA. Primeiro, um presidente contrário aos seus interesses é taxado como ditador para, em seguida, ser classificado como produtor de terroristas. Tanto faz ser o líder iraniano, sírio ou venezuelano. Basta assumir uma posição de independência em relação aos EUA, pronto, este cria uma única fórmula para tratar do “inimigo” com preconceito, com um discurso oficial à espera de que a evolução normal das paranoias americanas se espalhem e abalem a opinião pública dentro do país.

Resumindo, o único país no mundo que usou bomba atômica contra humanos, sobretudo civis, no maior ato terrorista da história, foram os EUA contra o Japão e são eles os xerifes que dão ou não alvará de licença para que outros países tenham armamentos nucleares.

Essa é a grande virtude do capitalismo americano, trabalhar com o brilhantismo, interna ou externamente, a ideia de que todo cidadão estrangeiro que não se curvar ao seu apetite é, em última análise, um terrorista. Se for um americano que não aderir ao discurso, é considerado traidor da pátria. Publicidade para isso, não falta.

Antes do ataque ao Iraque, passavam de mil o termo terrorista martelado diariamente nas TVs americanas para se referir ao Iraque, a mesma fórmula está sendo usada agora para justificar o ataque americano ao Irã, numa tentativa desesperada de Trump de tirar o país da beira da recessão, seu mandato de um impeachment ou sua reeleição de uma fragorosa derrota.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. Alex Posted on 6 de janeiro de 2020 at 17:36

    Boa tarde, gosto de ler suas notícias, mas queria dar uma opinião, quando falarem dos EUA, porque não usam norte americanos? Nós brasileiros também somos ameicanos.

    Reply
    1. Celeste Silveira Posted on 6 de janeiro de 2020 at 19:31

      Ok Alex, faremos isso. Obrigada.

      Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: