9 de março de 2021
  • 21:23 Vivaldo Barbosa: A vitória da política de Lula é irresistível – é o Mandela libertado
  • 18:24 Sobre a volta de Lula, Saul Leblon vai ao ponto: “Só faltava um candidato, agora tem”
  • 15:44 Urgente!: Fachin acaba de anular todas as condenações de Lula e o torna elegível
  • 14:56 Ciro quer provar para os bolsonaristas que é mais imbecil que Bolsonaro
  • 14:30 O diabo não é tão feio quanto se pinta; foi assim que a mídia vendeu Bolsonaro

Entre os pimpões tucanos do golpe, um caso entre a anedota e a vigarice, ganha destaque. Janaína Paschoal, a Dona Louca e o caduco Miguel Reale Júnior protagonizam o documentário indicado ao Oscar, “Democracia em Vertigem”.

Janaína Paschoal foi um caso à parte na farinha saída do mesmo saco dos golpistas, não porque tenha sido brilhante, mas no sentido descritivo dos enfeites extraídos do golpe para dar dramaticidade bufa à trama que desembocou no golpe.

Janaína foi contratada por Aécio, por 45 mil dinheiros para produzir ou conceder, de forma militante, o pedido de impeachment de Dilma.

O PSDB, que nunca teve apoio popular pelo desastre que produziu no país durante os oito anos do governo FHC, não só pela concepção fracassada da economia, mas por vários escândalos de corrupção abafados pela mídia e pelo famoso engavetador geral da República, Geraldo Brindeiro.

Então, Janaína for uma personagem que construiu uma ação de um espantalho louco que, em gestos alucinógenos ensaiados, promoveu cenas que, em última análise, representaram a histeria golpista da própria mídia brasileira.

Por isso ganhou tanto destaque, pela mentira que é, pela vigarista que também é e pela jurista que acaba por representar o judiciário brasileiro desde a ação penal 470, na farsa do mensalão até a Lava Jato de Moro com a omissão do STF e a participação em sociedade com Moro, dos desembargadores do TRF-4.

Sim, Janaína representa tudo isso, a falência da democracia brasileira com seu veio artístico burlesco que, de forma fidedigna, uniu o papel da mídia com o do judiciário no golpe sob os aplausos e orientação de um outro tucano, Miguel Reale Júnior, aquele caduco que aparece sempre mordendo a língua com cara de 21.

Pois bem, tanto fez que essa cena de Janaína dançando lambada, numa crise de fúria ensaiada na dança dos famosos do golpe, vai brilhar em Hollywood como atriz coadjuvante do que existe de mais grotesco e patético na classe dominante brasileira.

Interpretando o papel de Dona Louca, de maneira tão visceralmente tosca, Janaína corre o risco de ser chamada para protagonizar um filme trash, o que não deixa de ser um símbolo da própria direita brasileira.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: