26 de julho de 2021
  • 17:04 Bolsonaro avalia nomear Ciro Nogueira para outro ministério; ele aceitará?
  • 16:17 Ocupação de territórios pelo centrão pode expulsar militares
  • 13:52 Lewandowski encaminha à PGR denúncia da defesa de Lula sobre força-tarefa da Lava Jato ter negociado sistema Pegasus
  • 12:02 Vídeo – O guarda da esquina: em tempos de bolsonarismo, guardas municipais do Rio agridem covardemente um ambulante
  • 10:59 Lava Jato negociou programa espião Pegasus com empresa israelense

Como mentira não tem segundo capítulo, não tem como ir adiante e uma hora o mentiroso é desmascarado. Abriu a caixa-preta e nada encontrou.

Bolsonaro, sabendo que era mentira que contava a seu gado premiado, martelou dois anos de campanha de desmoralização do BNDES para atingir o PT.

Bolsonaro atacou o banco público fundamental ao desenvolvimento econômico do país porque não tem compromisso nenhum com a coisa pública e, muito menos com o desenvolvimento do setor privado.

Agora, auditoria contratada pelo próprio governo Bolsonaro conclui: nunca houve qualquer irregularidade no banco.

Ou seja, o governo Bolsonaro desmascara a mentira do próprio Bolsonaro.

Foram 10 meses de investigação.

O BNDES divulgou, no fim de dezembro, um relatório que não apontou nenhuma evidência direta de corrupção em oito operações com a JBS, o grupo Bertin e a Eldorado Brasil Celulose, realizadas entre 2005 e 2018, todas alvos de mentira e difamação de Bolsonaro e seu grupo -informa o jornalista Patrik Camporez, de O Estado de S.Paulo.

A auditoria, sob responsabilidade do escritório Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP, foi realizada em regime de subcontratação pelo Levy & Salomão.

Os investigadores concluíram que as decisões do banco foram tomadas depois de considerados diversos fatores negociais e de sopesados os riscos e potenciais benefícios para o banco.

“Os documentos da época e as entrevistas realizadas não indicaram que as operações tenham sido motivadas por influência indevida sobre o banco, nem por corrupção ou pressão para conceder tratamento preferencial à JBS, à Bertin e à Eldorado”, diz trecho do relatório.

A “abertura da caixa-preta” foi a principal missão conferidas por Bolsonaro ao presidente do BNDES, Gustavo Montezano, que tomou posse em julho, em substituição a Joaquim Levy e foi demitido exatamente por afirmar que não havia irregularidades no banco.

A “caixa-preta do BNDES” foi um dos temas dominantes na campanha de Bolsonaro. Ele e seu grupo diziam que seria o maior escândalo da história do país.

Agora nem ele nem outro vigarista de seu bando, dão explicações sobre essa mentira criminosa.

 

*Com informações do Estado de São Paulo

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: