28 de janeiro de 2021
  • 21:57 Marinha pagou R$ 533 em lata de chantilly e gastou R$ 128 mil em paçoca
  • 18:55 Bolsonaro, sobre o leite condensado, repete a tática contra jornalistas que usou no caso do depósito de R$ 89 mil de Queiroz para Michelle
  • 17:15 Vídeo: Em claro desespero com o escândalo do leite condensado, Bolsonaro manda imprensa para a puta que pariu
  • 16:13 Em ÁUDIO, empresa nega venda de leite condensado na proporção indicada pelo governo Bolsonaro
  • 15:03 Desesperado, Bolsonaro apela para que caminhoneiros não façam greve na próxima semana

Como na novela da Globo, “A Próxima Vítima”, o miliciano Adriano da Nóbrega, ligado a Flávio Bolsonaro e ao vizinho de Bolsonaro, Ronnie Lessa, pelo jeito foi só mais uma queima de arquivo entre outras, ligadas ao assassinato de Marielle, que também foram executadas.

De acordo com informações publicadas no jornal O Globo, Lucas do Prado Nascimento da Silva, conhecido como Toddynho e suspeito de clonar o carro usado no assassinato de Marielle Franco, foi executado. A Delegacia de Homicídios (DH) do Rio de Janeiro (RJ) que investiga o caso considera que foi “queima de arquivo”.

Toddynho teria sido executado quando fazia a entrega de outro carro, também clonado, na Zona Oeste do Rio.

A Polícia Civil identificou pelo menos três mortes que podem ter relação com o assassinato da vereadora Marielle e do motorista Anderson Gomes.

O mais conhecido é o do líder comunitário Carlos Alexandre Pereira Maria, o Alexandre Cabeça, de 37 anos, morto com vários tiros na Taquara, também na Zona Oeste.

Cabeça atuava como colaborador informal do vereador Marcelo Siciliano (PHS), mencionado no inquérito que apura as mortes de Marielle e Anderson

Há ainda ligação entre a morte de Marielle e a do empresário Marcelo Diotti da Mata, assassinado no mesmo dia no estacionamento de um restaurante na Barra da Tijuca, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Marcelo era marido da ex-mulher de Cristiano Girão, acusado de chefiar a milícia da Gardênia Azul, na Zona Oeste. Com a prisão dele, o miliciano Ronnie Lessa, suspeito de executar Marielle, teria assumido o controle daquela comunidade.

 

*Da redação

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. Guilherme Vendetta Posted on 12 de fevereiro de 2020 at 00:42

    Grato pelas informações disponíveis neste blog. Continue com o excelente trabalho de investigação e divulgação de informações essenciais no combate as milícias que tomaram conta deste país.

    Os brasileiros honestos e que não compactuam com máfias, milícias e assassinos, te dão total apoio!! Obrigado

    Reply
    1. Celeste Silveira Posted on 12 de fevereiro de 2020 at 11:44

      Muito obrigada, Guilherme. Seguimos na luta. Grande abraço.

      Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: