18 de setembro de 2020
  • 11:13 O Estado mínimo de Bolsonaro que destrói o país
  • 10:08 Ao punir Bretas, TRF-2 informa que democracia ainda respira
  • 09:42 Vídeo – Requião: Frustração levará à queda de Bolsonaro
  • 19:56 Fux faz críticas aos colegas sobre o tema “prisão em 2ª instância” e Marco Aurélio o enquadra
  • 19:06 Vídeo: Incêndios já tomam quase metade das terras indígenas no Pantanal

Bolsonaro, nesta segunda, está fugindo dos microfones e holofotes da mídia mais do que o diabo da cruz.

O motivo, até o mais pateta dos bobocas sabe qual é, não fazer comentário sobre a morte de um amigão de longa data da família Bolsonaro.

Como sabemos, Adriano da Nóbrega, chefe do Escritório do Crime, e sócio de Ronnie Lessa, era o principal elo entre a família Bolsonaro e a morte de Marielle.

Como disse o mais antipetista dos jornalistas da grande mídia, Josias de Souza: “Presidente e miliciano coabitam o mesmo noticiário” e seguiu: “Espantosa época a atual, em que o presidente da República, seu filho mais velho e um miliciano apelidado de Caveira coabitam a mesma notícia. Neste domingo, a coisa tornou-se ainda mais horripilante, pois aos nomes de Jair Bolsonaro, do primogênito Flávio Bolsonaro e do ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega acrescentou-se uma expressão macabra: “Queima de arquivo.”

E Josias segue as pegadas de Bolsonaro

Chefe da milícia de Rio das Pedras, no Rio, Adriano era amigo de Fabrício Queiroz, o faz-tudo dos Bolsonaro. Trabalharam juntos na PM. A mãe e a mulher do miliciano foram enfiadas dentro da folha salarial ‘rachadinha’ do gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio.

A despeito das complicações penais, o Caveira foi condecorado por Flávio com a Medalha Tiradentes, a mais elevada comenda da Assembleia Legislativa do Rio.

Em 2005, Jair Bolsonaro, então deputado, subiu à tribuna da Câmara para criticar uma condenação imposta ao miliciano.

A polícia diz ter matado o Caveira numa troca de tiros.

A família do morto alega que ele não estava armado.

Josias de Souza fala também da participação de Moro nessa geleia miliciana do clã.

Curioso, muito curioso, curiosíssimo. No final do mês passado, o Ministério da Justiça divulgou uma lista dos bandidos mais procurados do Brasil. Excluiu-se o nome do Caveira Adriano. A equipe do ministro Sergio Moro alegou que o amigo dos Bolsonaro praticava crimes em âmbito local, não nacional.

Por mal dos pecados, havia na lista da Justiça um par de milicianos em condições análogas às de Magalhães. A esse ponto chegamos: o discurso de campanha de Bolsonaro em defesa da lei e da ordem, que já soava como conversa mole, vai ficando desconexo. Presidente e miliciano coabitando o mesmo noticiário não é algo trivial. diz Josias.

Por essa e por outra que hoje, Bolsonaro não quer papo com a imprensa porque sabe que vai se enrolar na hora de falar sobre a morte do miliciano envolvido na morte de Marielle Adriano da Nóbrega, amigo íntimo de longa data da família Bolsonaro.

 

 

*Com informações do Uol

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. José Cesar Pereira Posted on 10 de fevereiro de 2020 at 18:55

    O grupinho da histeria fascista e que acompanha o “alienado em tudo’ para dar gritinhos e bater palmas para todo e qualquer vômito de fezes cerebrais de Bolsonaro proporciona momentos ridículos. Assim como a fuga covarde das perguntas que podem emparedar a aberração presidencial miliciana. #ForaBolsonaro #NovasEleiçõesJá

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: