28 de julho de 2021
  • 10:31 A crença desesperada de Bolsonaro de que o centrão pode salvá-lo do calvário rumo ao cadafalso
  • 09:31 Financial Times: Só commodity não levanta o Brasil de volta
  • 08:56 Receita Federal vê movimentação financeira suspeita de Ciro Nogueira e cobra R$ 17 milhões por sonegação
  • 20:46 TRE de São Paulo absolve Fernando Haddad de acusação de caixa 2 eleitoral
  • 19:27 Vídeo: Zezé Di Camargo convoca o gado para defender o voto impresso

É possível que esta notícia fique obsoleta enquanto escrevemos e o Dólar ainda hoje suba mais.

Somente hoje, a moeda americana teve uma alta de 1,68% e o dia ainda nem terminou.

Para piorar ainda mais, o Banco Central interveio duas vezes e nem assim conseguiu segurar mais três aumentos no mesmo dia, abrindo em R$ 4,60 e chegando R$ 4,66.

A situação parece mesmo sem controle e, consequentemente ninguém sabe mais aonde fica o fim do poço. Certamente, esses vários recordes de alta do dólar hoje é consequência do PIB pífio de 1,1% anunciado nesta quarta-feira pelo próprio governo.

Na revisão do PIB para 2020 já tem, no mercado, quem aposte em zero ou negativo.

Há um clima de perplexidade generalizado no mercado com uma alta tão desastrosa para a economia brasileira. O antes festejado Paulo Guedes, consagrado como o grande guru da economia, já é visto como mau agouro entre os brasileiros, mas principalmente pela mídia que apostava todas as suas fichas em discursos bobos proferidos por ele, todos em situações ornamentais, não em base técnica, em algo que trouxesse um mínimo de credibilidade à fala de um charlatão neoliberal.

O posto Ipiranga é uma fraude tão grande quanto o Ministro da Justiça, Sergio Moro, que anuncia a queda da violência quando, na realidade, ela só aumentou e Bolsonaro que governa para os interesses do seu próprio clã.

O resultado não poderia ser outro, senão uma tragédia em função da degradação econômica do país depois do golpe em Dilma.

Como se diz por aí, todos sabem como um golpe começa, mas não sabe como termina. Hoje isso pode ser aplicado na cotação da moeda americana no Brasil. Todos sabem quanto custa no começo do dia, mas não sabe custará no final da tarde.

 

*Da redação

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: