20 de setembro de 2021
  • 21:05 Vídeo: Bolsonaro chega a Nova York, sem máscara, entra no hotel pelos fundos e é alvo de protestos
  • 16:55 Sobre o “acordo” com Bolsonaro, Moraes diz: Aguardem o desenrolar dos inquéritos
  • 15:18 Terceira via não existe, o que existe é uma xepa do bolsonarismo tão podre quanto Bolsonaro
  • 12:41 A implacável perseguição do Facebook ao blog Antropofagista
  • 11:27 A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

Nassif mata a charada, Bolsonaro foi aos EUA tratar de questões particulares, tanto que ele sai da reunião com Trump e não faz qualquer comentário sobre o que foi acordado no tal jantar que, segundo ele, foi de grande vantagem para o Brasil.

Nassif vai ao ponto quando diz que Bolsonaro não raciocina um palmo diante do nariz a não ser quando se trata do seu entorno miliciano. E foi justamente isso que o levou aos EUA ao encontro com Trump, tentando trazer cassinos para o país e, com isso, expandir os negócios dos contraventores brasileiros ligados à milícia.

Desde 2001, no entanto, Fernando de Noronha é reconhecido e tombado pela Unesco como Patrimônio Mundial da Humanidade, por conta de suas belezas naturais e pela enorme biodiversidade abrigada em suas 21 ilhas. Há sete anos ainda que o arquipélago não recebe cruzeiros marítimos com regularidade, medida tomada para evitar ao máximo possíveis impactos ambientais. Hoje, o acesso de embarcações e de turistas é controlado pelo Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio), mediante cobrança de taxas de manutenção aos visitantes.

Em resposta, o governo de Pernambuco, reagiu com críticas à intenção do governo manifestada pelo filho do presidente Bolsonaro. Por meio de nota, o secretário estadual de Meio Ambiente, José Bertholi, afirmou que o atual governo “desconhece os limites de capacidade de Fernando de Noronha e as consequências de colocar na ilha mais de 600 pessoas de uma só vez, como acontece no casos dos navios de cruzeiro”.

Flávio Bolsonaro, que também se vê no vídeo abaixo, quer defenestrar Fernando de Noronha, abrindo, o que é proibido, a entrada de transatlânticos na ilha, com uma conversa mole de que é incentivo ao turismo para mergulho de contemplação, quando, na verdade, o que o clã pretende é encher aquela região de cassinos e utilizar os mesmos turistas dos navios de cruzeiros para abarrotar as casas de jogos, que é o setor que a milícia quer se expandir no Brasil.

Nassif fala também, com muita propriedade, inclusive sobre o papel de Flávio como gerente dos negócios da família, o que venho repetindo incessantemente, Bolsonaro não governa para o Brasil, mas para a milícia, com a qual o clã, e já está mais do que provado, está envolvido até o pescoço.

Assista:

 

 

Antes dele, Flávio Bolsonaro se encontrou com o bilionário Sheldon Adelson, se apresentando como o representante do pai nas negociações

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. José Cesar Pereira Posted on 8 de março de 2020 at 12:39

    Bolsonaro vai defender os interesses da milícia do Brasil nos EUA-responsável pelo Golpe Continuado no Brasil e a tragédia da desigualdade social que aumenta a cada dia no governo do bando de fascistas, milicianos e psicopatas bozonaristas. O capanga das milícias, o corrupto traidor Moro, acuado e humilhado, foi dispensado. #ForaBolsonaro #MoroNaCadeia

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: