24 de setembro de 2020
  • 22:58 O ressentimento dos racistas com ascensão dos negros, ficou escancarado na reação ao Magalu
  • 20:36 Lula discursará na ONU e FHC no Roda Viva. Cada qual no seu quadrado
  • 18:52 Ministério Público Federal pede a cabeça de Salles e quer urgência da justiça
  • 18:09 Desmatamento: Bolsonaro usa dados positivos dos governos Lula e Dilma para se defender de críticas da França
  • 16:33 Vexame do Brasil na ONU expõe judiciário ao mundo por tirar Lula da eleição para Bolsonaro ser o presidente

Se a China resolver retaliar o comércio com o Brasil, a economia brasileira evapora.

Hoje, a indústria e sobretudo o comércio, são chino-dependentes.

A crise iniciada pelo miliciano Eduardo Bolsonaro e alimentada pelo demente Ernesto Araújo, que lambeu as botas do patrãozinho, se levada a ferro e fogo pelos chineses, não sobra uma birosca no Brasil, muito menos uma fabriqueta de fundo de quintal.

No varejo, aqui no Brasil, há uma máxima que diz que, “Deus fez o céu e a terra, o resto é feito na China”. Sim, até queijo Minas, hoje, é feito na China.

Se a China é a maior compradora de commodities do Brasil e, num rompimento comercial, parar de comprar nossos produtos, sobretudo da indústria do agronegócio, esse segmento terá que usar seus espaços para estacionamentos. Mas se a China resolver fazer pior e não vender nada para o Brasil, o nosso parque fabril desaba, pelo nível de dependência das peças produzidas na China.

Sobre o varejo, nem tem graça comentar, é só perguntar para o Véio da Havan o que aconteceria com suas lojas se a China decidisse não vender mais bugigangas para ele.

A China produz tanto as grandes marcas americanas de tênis que são vendidas aqui em lojas multimarcas, como a pirataria das mesmas marcas vendidas em mercados populares ou por ambulantes.

Ou seja, no varejo brasileiro, a China faz barba, cabelo e bigode.

A região do Brás e Bom Retiro, em São Paulo, por exemplo, sem as mercadorias da China, onde chegam milhares de ônibus com pessoas do Brasil inteiro para comprar no atacado, o efeito será como o de Hiroshima e Nagasaki, depois que os EUA, covardemente e monstruosamente jogaram as bombas atômicas contra a população civil das duas cidades.

Hoje, é raro, tipo agulha no palheiro, encontrar no varejo uma loja que não seja essencialmente dependente da China, direta ou indiretamente.

Se tiver uma retaliação da China, a crise econômica provocada pela pandemia de coronavírus vai parecer fichinha perto da hecatombe provocada por tal retaliação chinesa.

Isso dá a exata medida da irresponsabilidade do psicopatazinho Eduardo Bolsonaro e do seu lustra chuteira Ernesto Araújo, que só agridem diplomaticamente um país como a China porque o Brasil não tem governo, mas uma esculhambação generalizada comandando o país.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. Pingback: Se a China retaliar o Brasil e não fornecer mais mercadoria, quebra o varejo e a “indústria nacional” – Antropofagista | THE DARK SIDE OF THE MOON...
  2. Eliana Pacco Posted on 2 de abril de 2020 at 11:45

    Concordo plenamente. A eleição deste fascista e de sua família de bandidos mostra que o brasileiro é infantilizado, que age como se a vida fosse a novela da oito. Pobre Brasil periférico habitado por gente ignorante. Durante a campanha da mamadeira de piroca, um parceiro (universitário, empresário de relativo sucesso) encerrou nossa parceria porque eu não apoiava o “mito”, imagine a mente confusa de quem pensa assim. Outros diziam “se não der certo a gente tira”, demonstração de ignorância política e irresponsabilidade civil. Agora, só resta ao povo brasileiro fazer arminha com a mão e enfiar o dedo no… nariz.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: