2 de julho de 2020
  • 18:31 Como Bolsonaro ceifou a vida 60 mil brasileiros, quebrou milhares de empresas e dizimou milhões de empregos
  • 16:24 Por atuar de forma criminosa, advogado ligado a Flávio Bolsonaro é alvo de processo de cassação na OAB
  • 14:09 Bolsonaro diz que projeto de lei sobre fake news não vai vingar e que pode vetar
  • 13:13 Flávio ganhou, Carlos perdeu foro privilegiado e terá investigação acelerada
  • 11:46 O rascunho da queda: Reprovação de Bolsonaro na crise é alta mesmo entre os que recebem auxílio

A reação grosseira de Vera Magalhães, uma espécie de Augusto Nunes de saia, é um aviso de que, “todos, menos o PT” está mais vivo que o coronavírus na mídia de bancos.

O tema que trouxe FHC e Temer à baila, tirando-os dos sarcófagos dos golpistas e corruptos, foi a defesa de Bolsonaro, o último zumbi do neoliberalismo nativo. Ele caindo, não há nada para ser colocado no lugar.

O lema “Bolsonaro é uma desgraça para o povo, um câncer para o país, um genocida compulsivo, mas é nosso”, como pensa o mercado, convoca as bestas dos sarcófagos, Temer e FHC, porque, além de serem sabujos do grande capital, são canalhas o suficiente para defender um sujeito que está provocando mortes por coronavírus às pencas.

Na realidade, FHC, Temer e a própria mídia estão reforçando o discurso de que é melhor produzir um suicídio em massa, levando a população às ruas para se infectar, mas salvar o comércio do que imaginar que os lucros dos milionários brasileiros cairão com a quarentena.

Bolsonaro nunca esteve sozinho, sempre foi e de forma bastante clara, o principal representante das classes dominantes brasileiras, racista, escravocrata, com fobia de pobres e de uma docilidade nunca vista com os banqueiros, com a agiotagem, com a contravenção, com tudo o que não produz nada no país e vive só de sugar e extorquir a população. Afinal, Bolsonaro sabe o caminho das pedras, ensinando logo cedo aos filhos a mamarem nas tetas do Estado, defendendo os interesses do grande capital.

Para piorar o ranço contra Lula que lidera hoje um movimento de oposição às atrocidades de Bolsonaro, Datafolha aponta que o presidente vê sua aceitação despencar e sua rejeição disparar, mostrando que o avanço do coronavírus no país está num caminho inversamente proporcional à sua aprovação, como bem observou o jornal inglês The Economist.

O jeito que a mídia de bancos encontrou para tentar segurar o furação contrário a Bolsonaro, por ordem do mercado, foi desenterrar duas múmias sagradas do entreguismo nacional, FHC e Temer.

Não há dúvida de que essa será a última intervenção da direita brasileira, pois a festa do neoliberalismo acabou porque, por conta dela, muitos brasileiros se infectaram e muitos outros se infectarão.

Assim, a visão de que o mercado é mais importante que as pessoas, vai a pique, pois já está obrigando o mundo a entender que, sem solidariedade humana, as pandemias serão cada vez mais avassaladoras.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: