29 de novembro de 2020
  • 13:18 Globo, que cresceu de braços dados com a ditadura, não aceita Lula por ter afrontado os ditadores
  • 10:23 Pelotão editorial paulista vai à luta pela hegemonia dos restos mortais do tucanistão
  • 20:40 Ibope: Na chegada, Manuela vira em Porto Alegre
  • 19:55 Há chance real de vitória de Boulos, é o que vê diretor do Datafolha
  • 18:50 Vídeo: França explode em protestos contra policiais racistas

Uma reportagem do Wall Street Journal diz que foi o próprio Mark Zuckerberg a dar instruções para a mudança, cedendo assim às críticas dos meios conservadores norte-americanos que acusavam a plataforma de parcialidade.

Em 2017, a mudança no algoritmo que gere as publicações de notícias no Facebook tinha por finalidade anunciada o combate às fake news. E não demorou muito tempo a perceber que a alteração teve um impacto considerável nas visitas de sites de direita como o Daily Wire, um dos mais populares na plataforma apesar de muitas vezes apontado pelos verificadores de factos do próprio Facebook como estando a publicar notícias falsas.

Segundo uma reportagem publicada na sexta-feira pelo Wall Street Journal, o líder do Facebook terá sido pressionado pelos responsáveis de publicações associadas ao setor mais extremista dos conservadores, entre os quais Ben Shapiro, visita de casa do dono do Facebook e fundador do Daily Wire, ou Tucker Carlson, fundador de outro site conhecido por difundir “fake news”, o Daily Caller.

Segundo o Wall Street Journal, as pressões deste círculo de apoiantes de Trump terão levado o Facebook a “afinar” o algoritmo no sentido inverso. Embora a empresa reafirme ainda hoje que as mudanças não foram dirigidas contra nenhuma publicação em concreto, a revista Mother Jones, com uma linha editorial à esquerda no panorama político norte-americano, já se queixava em 2019. Segundo as suas contas aos 18 meses anteriores, a perda de tráfego provocada por essa mudança correspondeu a cerca de 400 mil dólares de receita anual perdida, impedindo-a de financiar projetos de investigação ou de contratar mais gente.

”Sabemos agora que o Facebook fez alterações para lhe mostrar menos notícias da Mother Jones” é o título do editorial publicado na sexta-feira. Ben Dreyfuss, o diretor editorial responsável pela área do Crescimento e Estratégia da revista fundada em 1976, afirma que teve reuniões com responsáveis do Facebook no fim de 2017 e no início de 2018 acerca das mudanças no algoritmo.

“Disseram que estavam a fazer afinações e que todas as publicações iriam sentir uma diminuição ligeira do tráfego e interações, mas não de forma a favorecer ou desfavorecer qualquer publicação em concreto”. Aos jornalistas da publicação, Dreyfuss escreveu na altura: “Não acho que isto seja a bomba nuclear que toda a gente pensava ha umas semanas”.

“Bom, eu estava muito enganado. O nosso alcance afundou”, reconhece o responsável da revista, frustrado por ver que o trabalho dos seus três editores para as redes sociais não teve resultado. “Muitas vezes não funciona, é a vida, mas quando não funciona nunca, é muito frustrante”, prossegue o editor, que diz ter sempre dado o benefício da dúvida ao Facebook, apesar de “os ‘top posts’ no site serem agora todos de publicações conservadoras”.

Também a CEO da Mother Jones, Monika Bauerlein, reagiu no Twitter ao artigo do Wall Street Journal, mostrando um gráfico sobre a evolução das audiências da revista no Facebook antes e depois da decisão de Zuckerberg.

*Carta Capital/Publicado originalmente em esquerda.net

Siga-nos no Whastapp: https://chat.whatsapp.com/FDoG2xe9I48B3msJOYudM8

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68
Agradecemos imensamente a sua contribuição

 

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: