21 de junho de 2021
  • 09:42 Investimento no Brasil retrocede 20 anos, e país despenca em ranking global
  • 09:11 A raiz do genocídio no Brasil está na economia, no neoliberalismo imposto por Moro e Bolsonaro
  • 22:16 Renan diz que CPI investigará ‘coisas escandalosas’ sobre compra da Covaxin
  • 19:44 Moro é desconvidado de evento sobre ética após protestos de pesquisadores
  • 18:19 Manifesto repudia invasão da polícia a terreiros nas buscas por Lázaro

Numa entrevista feita por Leilane Neubarth, especialmente projetada para um passeio de hipocrisia com o ministro do Supremo, Luis Roberto Barroso, que só dá entrevistas a ambientes fechados, melhor dizendo, em lugares reservados que lhe dão picadeiro, Barroso traduziu em uns 20 minutos de entrevista a que nível de rebaixamento moral chegou o sistema de justiça do Brasil.

O ministro falou para uma arquibancada de moristas e, para agradar essa parcela adestrada da sociedade, usou o momento para explicar o significado da palavra compliance, numa clara justificativa da participação de Moro como diretor da Alvarez & Marsal, empresa americana de recuperação fiscal que tem entre seus clientes as principais empreiteiras brasileiras levadas à falência pela Lava Jato, dizendo que, a partir de um conjunto de regras e normas em conformidade com as leis, o conceito dá integridade corporativa à empresa, adotando posturas éticas.

Depois dessa baba de quiabo, Barroso, que certamente é o mais deslumbrado dos pavões que já passaram pelo STF, falou cinicamente em combate à corrupção, mesmo sabendo que a sociedade, hoje, depois dos escândalos da Lava Jato vazados pelo Intercept, entende que, no final das contas, o juiz Moro era o verdadeiro bandido.

Mas Barroso, como é comum aos vaidosos, com certeza, não vê risco de perda de reputação no meio acadêmico, diante da sociedade esclarecida, porque a inacreditável e infantil ideia de que a Globo pode construir uma imagem divinal de sua conduta, sem perceber que está se abrigando num lugar cada dia mais desmoralizado do ponto de vista jornalístico.

Por isso, numa nova rodada de rasgação de seda na GloboNews, aonde Barroso é a principal celebridade com mais tempo de entrevista na casa do que o urubu de voo, o ministro com os olhos embotados de vaidade, não consegue descobrir o significado da derrocada de uma reputação a partir dos holofotes que passaram a ser rotina em sua vida de celebridade.

E assim Barroso vai cavando seu precipício ético acreditando realmente que está se promovendo.

*Carlos Henrique Machado Freitas

Siga-nos no Whastapp: https://chat.whatsapp.com/FDoG2xe9I48B3msJOYudM8

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68
Agradecemos imensamente a sua contribuição

 

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: