1 de outubro de 2021
  • 21:35 Vídeo: Senador Contarato detona depoente bolsonarista homofóbico
  • 17:32 Pesquisa Ipespe: Lula está 15 pontos à frente de Bolsonaro e venceria adversários no segundo turno
  • 15:50 Ciro Nogueira deu cargo com salário de R$ 13 mil à esposa de seu secretário-executivo
  • 15:14 Lula obtém sua 20ª vitória na justiça contra Moro e caso do sítio de Atibaia é enterrado
  • 13:21 Vídeo: Em Minas, Bolsonaro é vaiado, escrachado e xingado

Em última análise, Bolsonaro hoje conta com uma tríade emblemática, um camundongo, um porco capado e um ovoide como os apoios mais substanciais.

Ninguém pode também desprezar o tratamento papal que Aras dá a Bolsonaro. Na verdade, ao contrário do que se diz por aí, ninguém representa de forma tão fidedigna o que virou o Ministério Público nesse país nos últimos anos.

Figuras como Roberto Gurgel, Rodrigo Janot, Raquel Dodge, traduzem com precisão como o MP se transformou nisso que aí está, sobretudo durante a Lava Jato que pariu a sua melhor definição, Augusto Aras.

Sim, porque ninguém pode simplesmente diante desses quatro nomes culpar um a um pela tragédia em que se transformou o MP. Claro, a instituição está totalmente apodrecida, com pinçadas e honrosas exceções.

Isso mostra o que o excesso de poder dado a uma determinada gleba, como ocorreu na constituição de 1988 na busca por fortalecer a defesa da sociedade, capturada pelas classes dominantes, transformou-se em um monstro contra a própria sociedade.

Ainda assim, nada se compara ao vigor da sociedade que pode entrar em choque, muitas vezes provocado pela manipulação da informação, aliás, coisa muito comum no país, mas que, aos poucos, se reagrupa e, a partir de uma determinação cultural desenvolvida por ela própria, acha o caminho que a devolve a um pensamento civilizatório.

Quando se olha a limitação em que Bolsonaro se encontra, dependendo dessas três figuras acima citadas, naquilo que se pode classificar como os menores seres de uma sociedade, tem-se a dimensão do apocalipse vivido por Bolsonaro, o que não deixa de ser uma grande vitória da sociedade, a mesma que, espera-se repudiar com veemência a proposta de Barroso do tal semipresidencialismo que tem como objetivo tirar qualquer peso da opinião pública e a escolha de um presidente da República, deixando essa tarefa livre, leve e solta para a oligarquia.

Aí sim, a oligarquia, de acordo com seus interesses, sempre frontalmente contrários aos da sociedade, colocar seus representantes no poder máximo para se beneficiar do Estado que, secularmente, ano após ano, construiu a desigualdade que aí está.

Aliás, foi justamente por interromper ao menos parte desse processo com inúmeras políticas públicas em benefício da imensa maior parte do povo brasileiro, que Dilma foi arrancada da presidência e Lula foi preso.

E Bolsonaro, lógico, é a imagem desse estratagema quando, para atingir seus objetivos, as classes dominantes utilizaram os mais baixos artifícios de uma guerra híbrida tratando, não simplesmente o PT, Lula e Dilma como inimigos, mas a sociedade, sobretudo os trabalhadores, principalmente os mais pobres, as classes mais beneficiadas pelas políticas dos governos do PT.

Agora, que essa figura espúria chamada Bolsonaro vive seu inferno definitivo, assim como viveu o sabotador, vigarista e traiçoeiro, Temer, Bolsonaro se agarra a essas três figuras como seus últimos recursos para se manter no poder como quem implora de joelhos ao popularesco que se mistura dentro de um mesmo esgoto para tentar algum respiro antes de atingir o ápice de sua tragédia pessoal e ser escarrado da cadeira da presidência.

Participe da vaquinha: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/o-blog-antropofagista-precisa-de-voce

Siga-nos no facebook: https://www.facebook.com/Antropofagista-Jornalismo-109522954746371/

Siga-nos no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/H61txRpTVWc7W7yyCu0frt

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Carlos Henrique Machado

Compositor, bandolinista e pesquisador da música brasileira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: