20 de setembro de 2021
  • 21:05 Vídeo: Bolsonaro chega a Nova York, sem máscara, entra no hotel pelos fundos e é alvo de protestos
  • 16:55 Sobre o “acordo” com Bolsonaro, Moraes diz: Aguardem o desenrolar dos inquéritos
  • 15:18 Terceira via não existe, o que existe é uma xepa do bolsonarismo tão podre quanto Bolsonaro
  • 12:41 A implacável perseguição do Facebook ao blog Antropofagista
  • 11:27 A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

Os rompantes retóricos de Bolsonaro no 7 de setembro não deixaram dúvidas, revelaram um presidente encurralado, sangrando em praça pública num espiral em termos de popularidade e cercado de investigações contra si e seu clã.

Bolsonaro era a própria imagem do declínio de quem se vê com uma queda ininterrupta nas pesquisas de opinião que, junto, soma uma rejeição que já passa dos 64%.

Mas não é só isso, aquele presidente que ontem roncou ameaças ao Supremo e à democracia é, segundo pesquisas recentes, visto pela sociedade com um misto de sentimentos de medo, tristeza e raiva.

Basta isso para dispensar outras informações sobre o quadro geral do seu estado político. A tão exaltada hegemonia que Bolsonaro ostentava nas redes sociais, hoje, transformou-se num dos principais termômetros negativos com exatos 63% de menções negativas contra ele.

Segundo pesquisa Modalmais com a AP Exata, o sentimento de medo, tristeza e raiva são os mais presentes em posts que mencionam Bolsonaro.

A confiança no presidente cai dia após dia e revela uma população que sente no bolso os resultados de uma política econômica nefasta de um governo que aplicou uma dose cavalar de neoliberalismo na economia brasileira.

Bolsonaro, em seu desespero, está em busca de culpados para transferir responsabilidades sem apontar qualquer caminho que faça com que o grosso da população brasileira volte a ter um cisco de esperança de que a vida vai melhorar.

A base de Bolsonaro é uma bolha cada vez menor, que cobra dele radicalização, tendo como principal alvo o STF, particularmente, o ministro Alexandre de Moraes.

Por isso Bolsonaro não conseguiu disfarçar a fragilidade política em que se encontra, enquanto, do outro lado, Lula não para de crescer e ganhar o coração de cada vez mais brasileiros.

Daí o nervosismo histriônico numa tentativa fugaz de demonstrar força em meio à queda livre que ostenta na preferência dos eleitores.

E o resultado foi o que se viu no 7 de setembro, um presidente acuado com um discurso carregado de ódio de quem sabe que está cada dia menor.

 

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica
Agência 0197
Operação 1288
Poupança: 772850953-6
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450. 139.937-68
PIX: 45013993768

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Carlos Henrique Machado

Compositor, bandolinista e pesquisador da música brasileira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: