9 de agosto de 2022
  • 22:48 Lula entusiasma Fiesp com propostas para reindustrialização
  • 18:57 Apoie o Antropofagista. Com um Pix de qualquer valor, você ajuda muito
  • 18:05 Janja responde Michelle Bolsonaro após primeira-dama atacar Lula e religiões de matriz africana
  • 17:05 Vídeo: Twitter corta conta de Michelle Bolsonaro por racismo e intolerância com religiões de matriz africana
  • 15:41 Michelle Bolsonaro, a pudica do pau oco

Pesquisa BTG/FSB publicada hoje traz um dado impressionante: o ex-presidente Lula tem 70,5% dos votos válidos (ou 62% dos votos totais) entre eleitores com renda familiar até 1 salário.

Segundo a própria pesquisa, esses eleitores representam 25% do eleitorado. Se temos hoje 152 milhões de eleitores, então 25% correspondem a 38 milhões de cidadãos brasileiros. No topo da pirâmide, o eleitorado com renda acima de 5 salários corresponde a 17% do total, ou 25,8 milhões de pessoas.

O eleitorado com renda familiar até 1 salário, contudo, tem muito menos visibilidade do que a chamada classe média.

São eleitores com menos tempo e recursos para acessar as redes sociais. Não frequentam os bares da moda. Não são convidado para “lives”, até porque sua internet mal dá para receber uma mensagem de whatsapp. Tampouco tem a informação ou dinheiro necessários para frequentar manifestações políticas nas regiões nobres da capital.

São geralmente pouco instruídos, não por sua culpa, mas por terem tido a infelicidade de nascer num dos países mais injustos e desiguais do mundo, que vem relegando grande parte de sua população a uma outra espécie de cativeiro, o da pobreza extrema.

Por isso a importância de pesquisas eleitorais. Não importa que tenham sido feitas por “bancos”. Na verdade, é até interessante, pois há setores dominantes que talvez não dessem atenção a esses números se a pesquisa fosse realizada por uma entidade vinculada, de alguma maneira, a valores ou movimentos progressistas.

A pesquisa BTG oferece um retrato gritante da luta de classes abafada, silenciosa, mas não menos terrível, gigante, que acontece por meio do processo de formação do voto para presidente da república.

Esses 62% de intenções do voto de baixa renda em Lula é um grito do povo contra todas as derrotas que vem sofrendo desde o golpe contra Dilma, iniciado em 2014, com a Lava Jato, quando a elite financeira do país deflagra um conjunto de ações midiáticas, judiciais, parlamentares e, em alguns casos, também empresariais, que configuram uma grande operação de sabotagem contra o interesse nacional e contra a democracia. Nessa faixa do eleitorado, Bolsonaro tem apenas 18%.

Esse é o povo que, assim como o ansioso sistema de inteligência artificial do Google, deseja interagir com seu próprio país, quer ser visto, quer que alguém se importe com sua existência.

Ciro Gomes, que construiu uma carreira na esquerda, e hoje trai seus princípios protagonizando uma das campanhas mais sujas (e mesmo assim, fracassada) da história da república, tem apenas 4% entre os mais pobres. O baixo desempenho de Ciro entre os mais pobres é uma pequena vingança contra seu discurso pedante e raivoso. Ciro apenas não desapareceu do mapa eleitoral porque sua verve udenista ainda encontra eco em setores da classe média.

A luta de classes no Brasil é clara quando se observa a divisão do voto por renda.

Segundo a BTG, Bolsonaro lidera com 48% dos votos totais entre famílias com renda acima de 5 salários, contra 30% de Lula.*Com O Cafezinho

Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica Agência: 0197

Operação: 1288

Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768 – CPF

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: