12 de julho de 2020
  • 14:52 Pane na latrina: Ana Paula do Vôlei e JR Guzzo se fazem de mortos com a libertação do casal Queiroz
  • 19:12 O Globo quer “perdoar o PT” por ter cometido o crime de tirar 40 milhões da miséria
  • 16:23 O pedido de perdão ao PT pelo Globo é mais um sinal de que a direita faliu e pede socorro
  • 13:58 Procuradores da Lava Jato têm medo porque sabem o que fizeram no sábado à noite, diz Gilmar Mendes
  • 11:35 Esse era o “exemplo de cidadania contra a corrupção” que deu golpe em Dilma

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) que integra o Ministério Público Federal afirma com todas as letras que a reforma da Previdência de Bolsonaro é inconstitucional.

O parecer foi encaminhado nesta quarta-feira (5) aos parlamentares que analisam a proposta.

“O estabelecimento de um novo regime com base em um modelo de capitalização altera o princípio de solidariedade estabelecido como núcleo central da constituição federal de 1988”.

A procuradoria chama a atenção dos parlamentares para o que a constituição de 1988 traz em seu escopo. São normas que traduzem políticas públicas voltadas à superação da desigualdade histórica no Brasil.

“Máximo egoísmo”, é essa a classificação que a Procuradoria dá à proposta da reforma da Previdência e diz ser incompatível com o princípio estabelecido pela constituição, ou seja, cláusula pétrea e não pode sofrer alteração.

E ainda diz: “E não há como negar que os temas atinentes à capitalização e à desconstitucionalização dos principais vetores da Previdência alteram o núcleo essencial da constituição de 1988.

A Procuradoria lembra  ainda que a capitalização fracassou aonde foi aplicada, citando o relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

O estudo aponta o absoluto fracasso dessas medidas, em razão do acúmulo de evidências sobre os impactos sociais e econômicos”, é o que diz a Procuradoria.

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: