4 de outubro de 2021
  • 18:42 “Dólar alto é bom”: falas de Guedes coincidem com variação cambial que lhe garantiu lucro
  • 17:39 Ações do Whatsapp e Facebook caem 5% com queda que já dura 5 horas.
  • 16:18 Como o maior escritório de advocacia dos EUA cria offshores para Apple, fabricante de armas e políticos
  • 14:09 Mídia não dá um pio sobre as offshores de Guedes e Roberto Campos; fosse Lula, as manchetes seriam garrafais
  • 12:20 Offshores de sócios da Prevent, MRV, Riachuelo e mais 17 maiores empresas do Brasil são reveladas pela Pandora Papers

Aquele timbre de voz vibrante, bem característico de Moro, sumiu, apesar de ter uma dicção menos agradável que Dallagnol, porém, a disposição que tinha pra falar sobre Lula, desapareceu, escureceu nesta segunda-feira, depois das bombásticas revelações do site The Intercept Brasil.

Sua voz, praticamente inaudível ao conceder uma coletiva nesta segunda (10). O assunto era Lula, mas, desta vez em posição inversa.

Na ânsia de desqualificar as revelações do Intercept, Moro, longe de desfrutar aquele prestigio de outrora, o sombrio herói perecia sem capa diante da imprensa. A enxurrada de perguntas, não tinha mais aquele aconchego a que Moro estava acostumado no auge como celebridade nos cinco anos de Lava Jato. E foi por conta de uma pergunta “imprópria” que o herói, o Super-Moro deu linha na pipa e saiu em disparada fugindo da imprensa.

O texto muxoxo lido pelo menino amarelo, veiculado, também nesta segunda-feira (10) pelo Jornal Nacional, contrasta com o esfuziante Dallagnol que passou a colecionar convites para palestras sobre moralidade pública no auge da Lava Jato, de tão encantador que ele se anunciava. Desconfio até que ele andou sendo convidado por debutantes para dançar em festas de Cinderelas com o aplauso emocionado da vovó.

Ontem, porém, o príncipe do Ministério Público Federal, incorporou a carapuça de um condenado. Boca seca, semblante sem brilho, voz em tom meia bomba e corpo sem aquela postura ereta de quem vinha a público acusar suas vítimas, numa arena midiática, diante de uma plateia ávida por sangue. Ninguém seria capaz de fazer uma propaganda tão negativa de si próprio e de Moro. Dallagnol se entregou no vídeo. Profundamente abatido, o ególatra, colecionador de afagos de uma classe média delirante, estava inacreditavelmente desfigurado e abatido, como se tivesse visto do outro lado, um Dallagnol nos tempos espetaculosos da Lava Jato, lhe acusando de contraventor.

Assista ao vídeo

 

 

Carlos Henrique Machado é músico, compositor e pesquisador da música brasileira

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: