23 de setembro de 2020
  • 09:59 Depois do discurso delirante de Bolsonaro na ONU, a ressaca. Relatório prevê déficit de 861 bilhões no Orçamento
  • 22:26 Após 5 anos, Lava Jato admite o que sempre soube, palestras de Lula eram legais
  • 19:57 Bolsonaro dá vexame na ONU, dólar sobe, investidores fogem do Brasil e país perde acordos internacionais
  • 18:33 Lula: O que deveria ser o discurso do Brasil na ONU
  • 17:51 Bolsonaro precisa decidir se o Brasil é cristofóbico ou é cristão conservador, os dois não dá

Depois da estrondosa repercussão negativa das conversas vazadas nesta terça-feira (27) em que os procuradores apedrejavam friamente Lula enquanto ele sofria com a perda dos seus entes queridos, a procuradora da Lava Jato Jerusa Viecili se desculpa a Lula e assume a veracidade das mensagens. Não foi nenhum ato de nobreza, tanto que, mesmo pedindo desculpas por tanta podridão, o que naturalmente a fez assumir que as mensagens são verdadeiras, ela, ainda vestida de lantejoulas e miçangas douradas por ter pedido perdão a Lula, despe-se da fantasia quase carnavalesca para se reportar que não estava ali admitindo que todas as mensagens são verdadeiras e não foram captadas criminosamente.

O fato é que os efeitos de seu pedido de desculpas azedaram, pior, sublinharam mais o seu caráter que aparece em seu julgamento sobre o comportamento de Lula no enterro de seu neto.

Essa procuradora rude, bárbara e inculta só assumiu o seu erro porque o assunto segue formigando nas redes sociais e não há quem a defenda na grande mídia, já que a Globo finge não existir as mensagens e, consequentemente se coloca amordaçada para salvar seus aliados. Que ironia, não?

Como não há ninguém a se delegar a defesa, o mérito suplicante da procuradora é nenhum, tanto que ela, ciente do julgamento da veracidade das mensagens, quis dar dois passos atrás, postando duas novas mensagens apanhando ainda mais das pessoas no twitter por razões óbvias. Sendo assim, já é a segunda que, de alguma forma, aceita a rendição de que, depois da confessada escolha dos procuradores da Lava Jato por Bolsonaro, como afirmou Carlos Fernando dos Santos Lima, na Globo News, a procuradora Jerusa Viecili certamente anima ainda mais os advogados de Lula pela confissão de que as mensagens vazadas pelo Intercept são misericordiosamente verdadeiras.

Lula pode perdoá-la, mas a história, não.

 

*Por Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: