27 de novembro de 2020
  • 22:02 Maradona: os pobrecitos del Brasil e la traición!
  • 19:41 Datafolha: Covas cai um ponto e Boulos diminui ainda mais a diferença
  • 17:57 Vídeo: Pra que serve o posto Ipiranga? Em cerimônia, Paulo Guedes é chamado para falar e Bolsonaro o impede
  • 17:02 Em carta, empresários e investidores defendem Boulos e dizem que Covas é um gestor ‘sem brilho’
  • 14:55 VÍDEO – Campanha de Covas é flagrada distribuindo cestas básicas

No caso Marielle o que mais intriga é a livre circulação de milicianos e traficantes de armas no condomínio do presidente da república sem o GSI desconfiar de nada. Justo a pasta comandada pelo General Heleno.

O castelo de cartas fica mais sombrio quando se lembra que Ronnie Lessa, o assassino de Marielle e vizinho de Bolsonaro, só foi preso em 12 de março de 2019, ou seja, um ano depois da morte de Marielle e Anderson.

Bolsonaro foi eleito em 28 de outubro de 2018 e não se tem notícia do GSI ter impedido o fluxo de milicianos no condomínio de residência do já Presidente da República Jair Bolsonaro.

Essa constatação fica ainda mais curiosa quando se lembra que o mesmo Bolsonaro havia sofrido em Juiz de Fora, segundo ele, um atentado, uma facada desferida por um suposto lobo solitário que mirou a faca em seu abdome por um motivo que até hoje ninguém sabe.

Ora, que essa horda de fanáticos que orbita o bolsonarismo fundamentalista não questione isso, é normal, mas convenhamos, esse capítulo da história que envolve a morte da Marielle, o condomínio de Bolsonaro e os milicianos é uma clássica fotografia de uma história sem pé nem cabeça. É daquelas histórias que faltam enormes pedaços e remendos e que os fatos por si só cobram uma explicação minimamente plausível que demonstre algo razoável para justificar a gigantesca lacuna que está aí se alimentando da falta de questionamentos.

Não me parece que o GSI deixe o Presidente da República ao relento de forma tão vulnerável a ponto de conviver, em seu próprio condomínio, com o entra e sai de milicianos assassinos frios e calculistas, traficante de armas pesadas, como também foi revelado pela Polícia Civil que apreendeu 117 fuzis e munições a balde de propriedade de Ronnie Lessa, vizinho de Bolsonaro.

Não é possível tanta negligência de um Gabinete de Segurança Institucional, comandado por um general que é o braço direito de Bolsonaro, o que cristaliza uma interrogação ainda maior. Ninguém pode se antecipar a fatos pitorescos como esse sem a conclusão de uma investigação. Um fato como esse não pode ficar perdido no mundo das lendas, refugiado numa cortina de fumaça.

Outra coisa curiosa, é um general tão tagarela quanto o Augusto Heleno, não se pronunciar sobre qualquer coisa que se refira ao caso Marielle, aos milicianos e às acusações que pesam cada vez mais sobre os ombros de Bolsonaro no possível envolvimento no caso.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

 

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. Marcelo Mitou Marinho Posted on 17 de novembro de 2019 at 22:51

    Primeiro é preciso explicar porque envolveram Roni Lessa q mora no mesmo condomínio no crime! Já examinou o s videos q coloam ele no creime/1 o carro sai do Quebra Mar as 21:02:05, como pderia estar na casa das pretas as 18:46! tem ate imagem com data do dia 15/03, para demostrar o trajeto seguido! Existiam 2 Cobalt clonados na mesma epoca! Mas são fatos que não divulgam! assista o video, quem narra é o Jeneton e passou na Band! https://tvuol.uol.com.br/video/policia-mapeou-trajeto-de-criminosos-ate-local-do-assassinato-de-marielle-04024C1B3364C8B16326

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: