24 de setembro de 2020
  • 09:24 Na beira do abismo: Investimentos internacionais no Brasil de Bolsonaro desabaram 85% em agosto
  • 22:58 O ressentimento dos racistas com ascensão dos negros, ficou escancarado na reação ao Magalu
  • 20:36 Lula discursará na ONU e FHC no Roda Viva. Cada qual no seu quadrado
  • 18:52 Ministério Público Federal pede a cabeça de Salles e quer urgência da justiça
  • 18:09 Desmatamento: Bolsonaro usa dados positivos dos governos Lula e Dilma para se defender de críticas da França

Convenhamos, de maneira mais polida, Elio Gaspari sublinha a fala do deputado Glauber Braga que chamou Moro de capanga da milícia.

Não diria que Moro, que se apresentou como Tigre de Curitiba, na Lava Jato, miou com a milícia do Ceará, acho que ele ronronou, pois, como se sabe os gatinhos adestrados ronronam quando estão felizes com seus tutores. E Moro não fez outra coisa, senão se refestelar com os mascarados do motim miliciano do Ceará.

Mas Elio Gaspari faz uma narrativa interessante sobre o episódio do governo de coalizão com as Forças Armadas e a milícia, como segue abaixo:

“Diante do motim de 10 do 43 batalhões da Polícia Militar do Ceará, Sergio Moro, o ‘Tigre’ de Curitiba, miou em Fortaleza. Ministro da Justiça e da Segurança Pública, Moro foi ao Ceará no sétimo dia do motim, sobrevoou teatralmente a cidade e disse o seguinte: ‘Os policiais do país inteiro, não só do Ceará, são profissionais dedicados, que arriscam suas vidas, são profissionais que devem ser valorizados”

“Falso. No país inteiro há policiais dedicados, mas ele estava em Fortaleza porque lá havia PMs amotinados, usando balaclavas, esvaziando pneus de carros e ameaçando colegas que trabalhavam”

O ministro da Segurança Pública podia pelo menos ter ficado calado.

 

*Da redação

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: