28 de julho de 2021
  • 10:31 A crença desesperada de Bolsonaro de que o centrão pode salvá-lo do calvário rumo ao cadafalso
  • 09:31 Financial Times: Só commodity não levanta o Brasil de volta
  • 08:56 Receita Federal vê movimentação financeira suspeita de Ciro Nogueira e cobra R$ 17 milhões por sonegação
  • 20:46 TRE de São Paulo absolve Fernando Haddad de acusação de caixa 2 eleitoral
  • 19:27 Vídeo: Zezé Di Camargo convoca o gado para defender o voto impresso

Convenhamos, de maneira mais polida, Elio Gaspari sublinha a fala do deputado Glauber Braga que chamou Moro de capanga da milícia.

Não diria que Moro, que se apresentou como Tigre de Curitiba, na Lava Jato, miou com a milícia do Ceará, acho que ele ronronou, pois, como se sabe os gatinhos adestrados ronronam quando estão felizes com seus tutores. E Moro não fez outra coisa, senão se refestelar com os mascarados do motim miliciano do Ceará.

Mas Elio Gaspari faz uma narrativa interessante sobre o episódio do governo de coalizão com as Forças Armadas e a milícia, como segue abaixo:

“Diante do motim de 10 do 43 batalhões da Polícia Militar do Ceará, Sergio Moro, o ‘Tigre’ de Curitiba, miou em Fortaleza. Ministro da Justiça e da Segurança Pública, Moro foi ao Ceará no sétimo dia do motim, sobrevoou teatralmente a cidade e disse o seguinte: ‘Os policiais do país inteiro, não só do Ceará, são profissionais dedicados, que arriscam suas vidas, são profissionais que devem ser valorizados”

“Falso. No país inteiro há policiais dedicados, mas ele estava em Fortaleza porque lá havia PMs amotinados, usando balaclavas, esvaziando pneus de carros e ameaçando colegas que trabalhavam”

O ministro da Segurança Pública podia pelo menos ter ficado calado.

 

*Da redação

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: