25 de julho de 2021
  • 15:50 Quando a direita vai entender que ela tem prestar contas ao povo e não à esquerda?
  • 14:52 Ciro Nogueira é investigado em inquéritos sigilosos por beneficiar empreiteiras
  • 14:11 Pegasus: vazamento revela abuso de espionagem cibernética
  • 12:05 Investigado por tráfico de influência, filho de Bolsonaro fez permuta para se hospedar em ‘casa dos sonhos’
  • 11:11 Brian Mier, jornalista norte-americano, avisa: ‘EUA vão armar um novo golpe contra Lula’

Um dia após Bolsonaro dizer que o coronavírus é um coroninha e a crise financeira mundial uma crisezinha, mercado mostra mais um dia de tensão enquanto se busca uma resposta global à epidemia.

O Ibovespa acelerou muito a queda e teve seu segundo circuit breaker na semana depois da Organização Mundial da Saúde (OMS) declarar que o coronavírus é uma pandemia.

O índice já recuava mais de 5% nesta quarta-feira (11) com investidores decepcionados em meio à falta de mais detalhes do plano do presidente Trump para estimular a economia do país, impactada pelo Covid-19 e as besteiras que Bolsonaro falou.

Os índices Dow Jones e S&P 500 recuam 5,42% e 4,91% respectivamente.

As bolsas europeias viraram para queda. Até o começo da tarde os índices subiam em meio às falas da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, de que há risco dessa crise ser como a de 2008 e, portanto, a autoridade monetária precisaria agir.

A reunião do BCE ocorre amanhã. Além disso, o banco central da Inglaterra cortou inesperadamente a taxa básica de juros em 0,50 ponto porcentual.

Por aqui, o Ministério da Economia reduziu a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2020 para um crescimento de 2,1%, ante 2,4% anteriormente.

Na verdade, se levar em conta o que Guedes prometia para 2019, PIB de 4% e deu 1%, tudo leva a crer que 2020 será de 2% negativo.

 

*Da redação

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: