25 de outubro de 2020
  • 19:12 Carlos Fernando Boquinha, uma ave de rapina tucana com asas de ganso
  • 17:44 General Heleno mentiu: GSI não tomou conhecimento de denúncia do caso Flávio/Queiroz de ‘maneira informal’
  • 16:25 Boulos visita caixa de supermercado humilhada por Russomanno
  • 13:08 A Globo não tem autoridade moral para liderar campanha contra fake news
  • 10:21 Vídeo: O dia em que o verme Russomanno tomou uma invertida humilhante de quem ele quis humilhar

Para início de conversa, os nossos aplausos a Fernando Haddad.

Após a declaração de Bolsonaro de que acabou com a Lava Jato porque seu governo não tem mais corrupção, Fernando Haddad (PT) relembrou fala do procurador aposentado Carlos Fernando dos Santos Lima, de que o PT tinha intenções claras de acabar com a operação. “Bom ver esse medíocre, que me julgou sem conhecer, morder a língua”.

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), candidato à presidência pelo PT em 2018, rebateu fala do procurador aposentado Carlos Fernando dos Santos Lima, ex-coordenador da Operação Lava Jato, feita naquele ano, depois da declaração de Jair Bolsonaro de que acabou com a Lava Jato porque seu governo não tem mais corrupção.

“Bom ver esse medíocre, que me julgou sem conhecer, morder a língua. Graças ao @TheInterceptBr(VazaJato) sabemos bem o conceito de ética dessa gente. Colocaram uma família de corruptos no poder”, escreveu Haddad no Twitter.

Em sua postagem, Haddad reproduziu uma declaração do procurador no período da eleição presidencial. “É óbvio que o Fernando Haddad tinha total interesse em acabar com a Lava-Jato. Dentro da Lava-Jato muitos entenderam que um mal menor é óbvio que era Bolsonaro”, afirmou o ex-coordenador.

O ex-presidenciável também citou as revelações do Intercept Brasil em agosto de 2019, quando os diálogos publicados pelo site apontaram que procuradores da força-tarefa da Lava Jato queriam “controlar a mídia de perto”.

“Vamos controlar a mídia de perto. Tenho um espaço na FSP, quem sabe possamos usar se precisar”, escreveu Santos Lima, conforme relatos divulgados pela Vaza Jato.

O Intercept também divulgou várias outras irregularidades da Lava Jato apontando que Moro agia como uma espécie de assistente de acusação. Chegou até a questionar a competência de uma procuradora em interrogar Lula e sugeriu acréscimo de informação na denúncia contra Zwi Skornicki, representante da Keppel Fels, estaleiro que tinha contratos com a Petrobrás.

 

*Com informações do 247

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: