24 de julho de 2021
  • 20:52 Vídeo: Vereador Renato Freitas é preso em Curitiba por protestar contra Bolsonaro
  • 18:46 Queiroz expõe imagem treinando tiro em clube e ridiculariza a Lava Jato
  • 16:43 Memórias de um país bananeiro
  • 14:32 Como será o Brasil do Bolso-centrão?
  • 13:53 Fabricante da Covaxin diz que documentos da Precisa para Saúde foram fraudados

Todos se lembram que, no período da queda de Collor, Fernando Henrique era um político apagado, mais propriamente, uma página virada. O que permitiu que o autor da farsa do Plano Real se transformasse em presidente da República, foi seu “amor repentino” pelo neoliberalismo subserviente aos banqueiros que fez das grandes estatais brasileiras as maiores vítimas da privataria.

Por isso, não subestimem a capacidade de FHC de ser um canalha completo. Uma simples frase situa essa figura na história: “esqueçam tudo o que eu disse”.

Lógico que não foi somente esta, são muitas as pérolas famosas de FHC. Seus rompantes neoliberais produziram frases como, “não temos que ter medo da globalização, temos que ter competência para nos inserir”.

Esta frase foi proferida pelo mago dos banqueiros, FHC, em resposta às manifestações contrárias à participação do Brasil na Alca, em que o país entrava com o lombo e os EUA com o chicote.

“A Área de Livre Comércio das Américas (ALCA) foi uma proposta feita pelo presidente dos Estados Unidos, George Bush, durante a Cúpula das Américas, em Miami, no dia 9 de dezembro de 1994, com o objetivo de eliminar as barreiras alfandegárias entre os 34 países americanos, com exceção de Cuba, formando assim uma área de livre comércio, cuja data limite seria o final de 2005”.

Mas o neoliberal, além de tudo, é um demagogo de quinta. Ao contrário de Lula e Dilma, que construíram entre 2003 e 2014, 18 universidades federais, FHC que não assentou um único tijolo na construção de uma mísera escola, trombeteou, “ou educamos nosso povo ou não vamos nunca conseguir ser um povo solidário”.

Então, sejamos realistas, e reconheçamos que Fernando Henrique defende Bolsonaro de forma perfeitamente explicável. Não há direita e extrema direita no Brasil, a direita é uma só, é neoliberal e, consequentemente, fascista.

Esse mesmo senhor senil que, do alto da importância nenhuma que tem para a população brasileira, sempre alertou que era demagógico ficar falando da fome de uma nação de brasileiros. Lula, diferentemente, priorizou o combate à miséria e à fome, tirando mais de 40 milhões de pessoas da pobreza absoluta e, por tal ação, foi reconhecido no mundo inteiro pelo feito inédito e de grandeza.

Para quem nunca se importou com o povo, mas com os banqueiros, como foi o caso de FHC, Bolsonaro é o próprio iluminismo tucano. Diria mais, é o filósofo do caos que pode se apresentar como herdeiro do trono dessa múmia que foi uma das causadoras dos conflitos que culminaram no golpe em Dilma e que apoiou vivamente a condenação e prisão de Lula, sem provas, por um juiz folclorizado pela Globo como herói nacional.

Assim, FHC correu para eximir o verme do Planalto de qualquer culpa pelo genocídio de praticamente 200 mil brasileiros. Sim, porque é sobre isso que estamos falando. FHC, o grande mensageiro do mercado, defende quem está matando o povo brasileiro com a Covid, com o seu discurso ornamental em defesa de um genocida que inspiraria os piores monstros da história da humanidade.

*Carlos Henrique Machado Freitas

Siga-nos no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/H61txRpTVWc7W7yyCu0frt

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68 – PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: