20 de maio de 2022
  • 22:14 Bolsonaro se confessa derrotado e apela para o factoide de que, sem auditoria, haverá eleições
  • 21:41 TRF-2 nega recurso contra Lula e Dilma por construção de refinaria da Petrobras
  • 17:46 Eduardo Bolsonaro: Arma é o que interessa, a fome não tem pressa
  • 17:03 Bolsolão do SUS: “É viagra político para a Bancada que barrou o impeachment”, diz Padilha
  • 13:15 Nassif vai ao ponto denunciando a omissão das instituições brasileiras com a entrega criminosa da Eletrobras

Bancada do Podemos disse a Sergio Moro aquilo que está na sabedoria popular:
“Inda nem não sabe ler, já quer ser mestre de escola”.

Isso tem um significado amargo para Moro, pois enfatiza que está falando grego dentro do seu próprio reduto, o que significa que há um cansaço, melhor dizendo, uma exaustão do próprio radar do Podemos, partido de Moro, com as parvalhices do ex-ministro.

A verdade é que Moro, que tinha a ambição de virar presidente da República utilizando a toga e o martelo, ou seja, a força do Estado contra o cidadão e com a clara noção do significado da prisão de Lula, perdeu completamente a sua capacidade de ação quando abandonou o magistrado para dar os primeiros passos concretos no mundo político quando, num combinado com Bolsonaro em troca da cabeça de Lula, aceitou ser seu ministro.

A partir de então, Moro passou a ser criticado pelas classes, jurídica e política, revelando que ele não teria vida fácil, como imaginou em seu projeto de poder.

A história do ex-juiz começou a piorar quando a farsa da Lava Jato foi exposta pelo Intercept, revelando o quanto ele era autoritário, pilantra, que tinha controle de todo aquele sistema nefasto que organizou o golpe parlamentar que arrancou Dilma do poder em 2016, condenou e prendeu Lula sem provas para deixá-lo morrer numa solitária.

Lógico que Moro, em sua limitação intelectual, não previa o que está acontecendo com ele agora, porque não tinha noção do tamanho dele e de Lula perante o mundo.

Agora, parlamentares do Podemos estão lhe dando o que no mundo da malandragem se chama sugestão, ou seja, um ultimato, mandando baixar a bola e, por enquanto, tentar a patente de senador até que, numa segunda chamada, possam ajustar melhor o seu tamanho e oferecer ao parvo a possibilidade de, no máximo, suando muito a camisa, ser um deputado estadual.

Moro talvez não tenha se tocado que, enquanto servia de maneira objetiva aos interesses da burguesia, passou a ser uma espécie de intocável, de vaca sagrada. Depois disso, tornou-se um ouro de tolo para a mesma burguesia que, de imediato, percebeu que não tinha a menor chance de enfrentar Lula sem a toga criminosa que usou como armadura do Estado para fazer um tipo de política que vai além do esgoto para eleger um fascista, assumindo sua credencial, sonhando em ser uma espécie de Bolsonaro 2 com patente de ex-juiz.

Parece que deu tudo errado.

Toda vez que o sujeito abre a boca, afunda ainda mais, enquanto vê Lula nadando de braçadas e cada vez mais distante do ex-juiz corrupto e medíocre.

Siga-nos no Telegram

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso. Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica

Agência: 0197
Operação: 1288
Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Carlos Henrique Machado

Compositor, bandolinista e pesquisador da música brasileira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: