Categorias
Política

RS: Estado mínimo potencializa enchentes, alerta Campanha

“Governantes fazem escolhas em que a vida não é prioridade”, critica a Campanha Tributar so Super-Ricos, após governador Eduardo Leite assumir que foi avisado dos riscos de enchente, mas preferiu privilegiar a “questão fiscal”

O nível do Rio Guaíba voltou a apresentar tendência de elevação rápida ao longo desta sexta-feira (24), voltando a agravar as enchentes na Região Metropolitana de Porto Alegre. Assim, a tragédia das chuvas e alagamentos que devastaram o Rio Grande do Sul ainda está longe de terminar. Os relatos dão conta de um verdadeiro cenário de guerra em todo o estado. E há previsão de mais chuvas nesse fim de semana.

Nesse sentido, a Campanha Tributar os Super-Ricos alerta que os impactos da tragédia são ainda maiores, quando a crise climática – causada, ou ao menos agravada pela própria ação humana, encontra governos neoliberais.

O tucano Eduardo Leite (PSDB), governador gaúcho, é um dos defensores do Estado Mínimo. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo no último domingo (19) reconheceu que recebeu alertas para o risco de enchente em todo o estado.

Esses avisos, no entanto, foram praticamente ignorados. Isso porque “a questão fiscal” era a pauta “que se impunha”. “Bom, você tem esses estudos, eles de alguma forma alertam, mas o governo também vive outras pautas e agendas”, confessou. Ou seja, em vez de investir na prevenção de desastres, o gestor preferiu cortar gastos, reduzindo o papel do estado.

Ao mesmo tempo, um documento assinado por mais de 40 engenheiros e técnicos de saneamento afirma que o sistema de proteção contra inundações falhou, causando enchentes em Porto Alegre, porque não recebeu a manutenção necessária. Sebastião Melo (MDB-RS), prefeito da capital gaúcha, é outro adepto do Estado mínimo.

Agora os custos com o socorro e a reconstrução do Rio Grande do Sul já somam dezenas de bilhões de reais, superando enormemente as supostas economias com cortes de gastos e redução dos serviços públicos.

Priorizar a vida
“Governantes fazem escolhas em que a vida não é prioridade”, criticam as mais de 70 organizações sociais, entidades e sindicatos que compõem a Campanha. “O protagonismo do Estado – nas diferentes esferas –, é central não apenas nos desastres climáticos, mas para reduzir desigualdades. Até a enchente fica maior com o Estado mínimo”, alertam.

Para os movimentos, nada pode ser como antes. “É preciso mudar a lógica dos gastos com valores humanos para o bem-viver, com participação e transparência. A tributação justa deve fazer parte de novas medidas de equilíbrio para salvar vidas… e não privilegiar quem vive de juros!”

*RBA

Categorias
Cotidiano

Novos temporais devem atingir o RS com ventos de até 100 km/h

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgou alerta para novas tempestades no Rio Grande do Sul entre quarta e quinta.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgou um novo aviso que preocupa o Rio Grande do Sul, que já atravessa uma tragédia climática e humana desde o início do mês. Segundo o órgão, novas tempestades devem atingir o estado entre esta quarta-feira (22/5) e a manhã de quinta (23/5).

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgou um novo aviso que preocupa o Rio Grande do Sul, que já atravessa uma tragédia climática e humana desde o início do mês. Segundo o órgão, novas tempestades devem atingir o estado entre esta quarta-feira (22/5) e a manhã de quinta (23/5).

Além de chuvas entre 30 e 60 mm por hora, o instituto prevê que o estado ainda pode ser atingido por ventos intensos de até 100 km/h e queda de granizo.

No alerta, o Inmet ainda avalia que os novos temporais podem provocar o corte de energia elétrica, queda de árvores e causar ainda mais inundações no estado.

As possíveis chuvas foram classificadas como perigosas, e podem afetar o sudoeste, centro, sudeste do Rio Grande do Sul, além da região metropolitana de Porto Alegre.

Tragédia
Desde o início deste mês, a maior parte do estado do Sul está sendo castigada pelas chuvas. A enchente provocou estragos e mortes em vários municípios gaúchos. Mesmo vários dias depois do início dos problemas, a água ainda não baixou completamente.

Categorias
Cotidiano

Bairro de cidade do RS é varrido por enchente e some do mapa; veja antes e depois

Imagens mostram bairro de Passo de Estrela, em Cruzeiro do Sul, totalmente varrido pela água

A cidade de Cruzeiro do Sul, no Vale do Taquari, no Rio Grande do Sul, está entre os muitos afetados pelas enchentes que atingiram o estado desde o início de maio. Imagens captadas por drone mostram a destruição no que, até então, era o bairro Passo de Estrela, localizado próximo ao leito do Rio Taquari. O local foi engolido pela força da água e desapareceu.

As imagens, gravadas nesta terça-feira (14), mostram o bairro totalmente destruído. Em meio a lama e poças de água, somente alguns resquícios do que, até então, era um bairro habitado por centenas de famílias. O vídeo abaixo, do Grupo A Hora, mostra o que sobrou do bairro.

Nova chuva no RS
Uma nova frente fria se aproxima do Rio Grande do Sul, trazendo a previsão de chuvas para a próxima quinta-feira (16). De acordo com meteorologistas, as precipitações devem ser menos volumosas do que os temporais que atingiram o estado nos últimos dias, porém ainda há risco de formação de um novo ciclone extratropical na sexta-feira (17).

As temperaturas seguem baixas no estado, podendo chegar a 0°C em alguns pontos.

Apesar de menos intensas, as chuvas projetadas para o período podem acumular entre 60 a 90 milímetros em diversas cidades gaúchas até domingo (19). Já em Santa Catarina e no Paraná, os volumes podem superar os 100 milímetros, diz a CNN.

Um levantamento da Climatempo revelou que, nos primeiros 15 dias deste mês, Fontoura Xavier, no noroeste do Rio Grande do Sul, registrou precipitação de quase 1.000 milímetros – volume equivalente a seis meses de chuva na região.

Categorias
Política

No RS, Lula vai anunciar “Vale Reconstrução” de cerca de R$ 5 mil para famílias desabrigadas

Ministério Extraordinário de Apoio à Reconstrução do RS, comandado por Paulo Pimenta, será oficializado.

O presidente Lula vai anunciar nesta quarta-feira (15) o “Vale Reconstrução”, de cerca de R$ 5 mil para famílias desabrigadas no Rio Grande do Sul, vítimas das chuvas intensas que atingiram a região.

Segundo informa o Blog do Valdo Cruz, no portal g1, o vale será um auxílio da Secretaria Nacional da Defesa Civil e será executado com o apoio da rede do Sistema Único de Assistência Social (Suas), do Ministério do Desenvolvimento Social.

O formato do vale foi elaborado pelas equipes dos ministros Waldez Goes (Integração e Desenvolvimento Regional), Wellington Dias (Desenvolvimento Social) e Fernando Haddad (Fazenda). Serão atendidas as famílias de baixa renda e as que perderam suas residências.

Será anunciado ainda que famílias em estado de vulnerabilidade no Rio Grande do Sul serão incluídas na folha de pagamento do Bolsa Família, garantindo uma renda durante o período da calamidade pública e reconstrução do Estado.

Lula também vai oficializar a criação do Ministério Extraordinário de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, que será comandado pelo ministro Paulo Pimenta.

Paulo Pimenta será o representante do governo federal no Estado para coordenar toda a atuação federal nas obras de reconstrução do Rio Grande do Sul.

Em defesa da indicação, criticada por aliados do governador Eduardo Leite, assessores de Lula destacam que Paulo Pimenta é muito próximo ao presidente e será um elemento facilitador na liberação de verbas e montagem de projetos da reconstrução do Estado.

A escolha desagradou aliados do governador Eduardo Leite. O deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) disse que a escolha foi um desrespeito ao governador do PSDB, que não foi consultado.

Além disso, Aécio acusa o presidente Lula de politizar com a escolha de Paulo Pimenta, por ser um agente com interesses eleitorais no Rio Grande do Sul.

“Uma falta de respeito, o governador não foi avisado, ficou sabendo pela imprensa, e escolheram um adversário político dele. Tinha de ser um técnico, não um político”, disse o deputado federal.

Categorias
Cotidiano

Saques e violência ampliam drama no RS e Força Nacional é convocada

Para reforçar a segurança, 400 agentes da Força Nacional chegarão ao Rio Grande do Sul (RS) nos próximos dias.

Em meio ao caos enfrentado pelo Rio Grande do Sul devido às chuvas que atingem o estado desde o início da semana passada, a polícia agora registra casos de violência, saques, furtos e roubos em diversos municípios. A situação aumenta a tensão e agrava o estado de calamidade que já se instalou em muitas comunidades.

Nas redes sociais, diversos relatos narram saques, assaltos violentos e até mesmo ações contra voluntários que auxiliam nos trabalhos humanitários. Ao Metrópoles, um morador de Porto Alegre, que preferiu não se identificar, detalhou a situação da capital: “O centro de Porto Alegre tá todo saqueado. Farmácia, supermercado, loja, mercado público, tudo”, conta.

Em Canoas, por exemplo, moradores expõem que criminosos se passam por necessitados para assaltarem os voluntários que se dispõem a ajudar. Já em Novo Hamburgo, a população precisou se armar para se defender dos bandidos. Muitos não querem abandonar suas casas por medo das ações dos criminosos.

Além de saquear casas e comércios, deixados para trás pelos proprietários que buscam locais seguros, os criminosos têm como alvo barcos, jet skis e outros equipamentos que auxiliam nos resgates de pessoas em áreas de risco.

Reforço na segurança
Para reforçar a segurança e conter a escalada dos crimes, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), confirmou, nessa terça-feira (7/5), que o estado receberá mais 400 agentes da Força Nacional. Com o efetivo combinado da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal, o contingente totaliza 944 servidores.

O governador também publicou o edital do Programa Mais Efetivo. O objetivo é convocar mil policiais da reserva. Todos os agentes que estavam de férias ou atuavam em funções administrativas foram convocados para atuar nas regiões atingidas.

Categorias
Cotidiano

Alerta no RS: seis barragens seguem em situação de emergência

O Rio Grande do Sul tem seis barragens em situação de emergência isto é, com risco de rompimento e ações de resposta em andamento, de acordo com informações do governo estadual. Os dados são deste domingo (5).

O nível de emergência foi registrado nas seguintes estruturas: Barragem de São Miguel, em Bento Gonçalves; Barragem SDR, em Eldorado do Sul; Barragem Saturnino de Brito, em São Martinho da Serra; Barragem do Arroio Barracão, em Bento Gonçalves; UHE 14 de Julho, em Cotiporã e Bento Gonçalves; PPCH Salto Forqueta, em São José do Herval/Putinga.

O governo monitora a situação das estruturas por meio da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e do Operador Nacional do Sistema (ONS).

O boletim listou também cinco estruturas que estão em nível de alerta, que é quando as anomalias representam risco à segurança da barragem, exigindo providências para manutenção das condições de segurança. São elas: UHE Dona Francisca, em Nova Palma; UHE Bugres e Barragem Divisa, em Canela; Capané, em Cachoeira do Sul; B2 (São Jerônimo); e Tupi, em Taquari.

O lago Guaíba chegou a 5,31 metros neste domingo (5), níveis recordes na história de Porto Alegre. A marca anterior era de 4,76 metros, ocorrida em 1941. A prefeitura emitiu alerta para inundações catastróficas na capital.

Segundo a prefeitura, são 60 vias totalmente bloqueadas em Porto Alegre, e 13 com bloqueios parciais. Diversas placas de carros que se perderam com os alagamentos foram recolhidas.

Mortes
Balanço divulgado no início da tarde deste domingo (5) pela Defesa Civil do Rio Grande do Sul revela que subiu para 75 o número de vítimas fatais em decorrência das fortes chuvas que atingem o estado ao longo dos últimos dias. Outras seis mortes estão sob investigação.

Do relatório anterior, do período da manhã, até o atual, o número de óbitos confirmados passou de 66 para 75. Ao todo, 334 municípios foram afetados.

Além dos mortos, o estado tem 155 feridos e 103 desaparecidos. O número de pessoas afetadas é de 780.725, sendo que 88.019 estão desalojadas e 16.609 em abrigos.

Categorias
Cotidiano

Vídeos: Enchente histórica no RS já atingiu mais de 700 mil pessoas; voluntários fazem cordão humano para salvamento

Dos 496 municípios gaúchos, 332 foram afetados de alguma forma pelos temporais.

A enchente histórica que assola o Rio Grande do Sul já impactou mais de 707 mil pessoas em todo o estado, conforme dados divulgados pela Defesa Civil neste domingo (5). O desastre provocado pelas intensas chuvas já resultou na trágica perda de 75 vidas.

No sábado (4), a região enfrentou mais chuvas, agravando a situação em Porto Alegre e na área metropolitana. O cenário foi marcado por operações de resgate, com barcos e motos aquáticas, para salvar aqueles que se encontravam presos em telhados. Segundo o governo estadual, cerca de 10 mil pessoas já foram resgatadas, mas ainda há moradores isolados em suas residências.

Dos 496 municípios gaúchos, 332 foram afetados de alguma forma pelos temporais, demonstrando a abrangência dos transtornos causados pelas chuvas.

O deslocamento das águas já obrigou 95,7 mil pessoas a deixarem suas residências, enquanto diversos municípios permanecem praticamente submersos, sendo acessíveis apenas por meio de barcos ou helicópteros. Um exemplo é Eldorado do Sul, onde o prefeito Ernani Gonçalves (PDT) relatou à rádio Gaúcha a situação crítica enfrentada pela cidade, diz o Nexo.

O lago Guaíba, vital para a região, atingiu um nível alarmante, ultrapassando a marca de 5 metros no sábado (4). Este é o maior registro já registrado, superando a histórica cheia de 1941, quando o nível atingiu 4,76 metros. Durante a madrugada de domingo (5), o nível continuou a subir, atingindo 5 metros e 32 centímetros.

A enchente de 83 anos atrás motivou a construção de um sistema de proteção contra cheias em Porto Alegre, porém, como evidenciado esta semana, as obras realizadas desde então não foram capazes de eliminar completamente os problemas. Deficiências nas comportas de vedação contribuem para agravar a situação, incapazes de conter o volume de água em casos de chuvas intensas, resultando na evacuação de bairros inteiros da capital desde sexta-feira (3).

Categorias
Cotidiano

Chuvas no RS: comporta do Guaíba rompe e ameaça zona norte de Porto Alegre

Ainda não é possível prever até onde a água pode chegar, afirmou o diretor-geral do Dmae.

Uma das comportas do lago Guaíba –o portão 14– se rompeu nesta sexta-feira (3) e coloca em risco a população da zona norte de Porto Alegre (RS). A informação foi confirmada pelo diretor-geral do Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae), Maurício Loss.

Segundo Loss, ainda não é possível mensurar as consequências do rompimento. O diretor afirmou que a água já está invadindo a avenida Sertório, podendo chegar ao shopping DC no bairro Navegantes e ao bairro Humaitá, DIZ .

“Aquele portão é um pouco estreito. Não é um dos maiores portões que temos. Mas neste momento não conseguimos dimensionar até onde a água pode se estender. Ali é uma região plana: ele pode avançar Sertório adentro.. A gente ainda não consegue prever”, disse Loss.

O prefeito Sebastião Melo (MDB), afirmou que “parte do 4º Distrito já está sendo afetada”. “O tamanho do [estrago] vai depender, agora, com o rompimento deste portão. Eu não posso dizer se vai até a [avenida] Farrapos ou se não vai até a Farrapos”, acrescentou.

O chefe do Executivo citou locais que, segundo ele, requerem “atenção especial”. São eles: Guarujá, Ponta Grossa, Túnel Verde, Sarandi. O bairro Sarandi, inclusive, tem situação ainda mais delicada. Isso porque, de acordo com o prefeito, as casas de bombas para auxiliar no escoamento da água não estão mais funcionando.

Categorias
Cotidiano

Lula chega ao RS após alerta de ‘maior desastre da história’, segundo governo gaúcho

Situação no Rio Grande do Sul é “pior” que a do ano passado, com 13 mortos. Ao todo, 134 municípios foram afetados e a estimativa é que mais de 44 mil moradores tenham sido afetados pelas fortes chuvas.

São Paulo – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ministros chegaram na manhã desta quinta-feira (2) ao Rio Grande do Sul para acompanhar de perto a situação do estado após as fortes chuvas que atingem a região desde quarta (1º). De acordo com a Defesa Civil, 13 pessoas morreram e 12 estão feridas em decorrência do temporal. Ao todo, 134 municípios foram afetados e há mais de 5 mil pessoas desalojadas e 3.079 desabrigados. O governo estadual também estima que 44.640 moradores tenham sido prejudicados pelas fortes chuvas.

Ainda na noite de ontem, o governador Eduardo Leite (PSDB) pediu aos moradores do Vale do Taquari que deixassem as áreas de risco e procurassem abrigos públicos ou outros locais seguros. Na região, a situação é crítica. Pela primeira vez, o rio Taquari passou a marca de 30 metros. O nível ultrapassa, inclusive, as enchentes de 2023 e 1941, segundo o serviço de meteorologia MetSul.

O governador estima que a destruição causada pelas chuvas nesses dias se torne o “maior desastre da história” gaúcha em termos de prejuízo material. Segundo ele, a situação é “pior” do que a registrada no ano passado, quando as inundações deixaram 50 mortos e grandes danos materiais. “Infelizmente, este será o maior desastre que nosso estado já enfrentou. Infelizmente, será maior do que o que assistimos no ano passado”, declarou no início da noite desta quarta, em Porto Alegre. Na ocasião, Leite também destacou a conversa com o presidente Lula, por telefone.

Categorias
Uncategorized

Vídeo: Policiais Antifascismo denunciam festival neonazista em Canoas/RS? Todos serão punidos

O policial civil Leonel Radde, membro do grupo Policiais Antifascismo, denunciou através de um vídeo divulgado pelo YouTube, a realização de um festival neonazista na cidade de Canoas/RS, no próximo dia 18 de janeiro.

Radde, que foi candidato a deputado estadual pelo PT no Rio Grande do Sul e teve mais de dez mil votos, avisa que estão programadas para participarem do festival bandas simpatizantes do movimento. De acordo com ele, segundo a lei 7716/89, apologia ao nazismo, atos de racismo são crimes e têm uma pena razoável.

 

 

*Com informações do 247