14 de julho de 2020
  • 22:41 Vídeo: O banho de sol do Queiroz que custou uma cadeira no STF
  • 19:41 Mutreta de Guedes: Glauber Braga quer detalhes da carteira de crédito de R$ 2,9 bilhões do BB para o Banco Pactual
  • 18:00 “Nem o pior ministro da Saúde fez o que Exército está fazendo, desmontando a engrenagem do SUS”
  • 15:57 Cúpula militar se manifesta contra as verdades ditas por Gilmar Mendes
  • 14:41 Não é hora de perdoar a Globo

“Para os que dizem que a prova do Intercept é ilícita cabe lembrar que uma fonte independente, que confirma o que foi dito, torna válida a prova”, é o que diz o advogado e ex-deputado Wadih Damous a respeito das revelações sobre a testemunha indicada por Sérgio Moro a Deltan Dallagnol contra Lula.

“Para os que dizem que a prova do Intercept é ilícita cabe lembrar que uma fonte independente, que confirma o que foi dito, torna válida a prova. É o que acontece com essa pessoa que confirmou ter sido procurada por Dallagnol para testemunhar contra Lula”, afirma Damous.

m reportagem divulgada nesta sexta-feira, 18, a revista Veja procurou as duas pessoas citadas na conversa entre Sérgio Moro e Deltan Dallagnol, revelada pelo The Intercept. A testemunha era Nilton Aparecido Alves, de 57 anos, técnico em contabilidade que tem um escritório no centro de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul.

O empresário também confirmou que passou ao MPF o endereço e o telefone de Alves, mas não entrou em detalhes sobre as possíveis transações imobiliárias do filho de Lula. “Eu soube que o Nilton foi chamado para prestar depoimento logo depois dessa ligação para mim”, disse.

Para juristas, a ação compromete a imparcialidade e configura o crime de fraude processual.

 

*Com informações do 247

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: