23 de janeiro de 2021
  • 17:53 Aras pede abertura de inquérito para investigar conduta de Pazuello em Manaus
  • 16:44 Vídeo – Zé Dirceu: Urgência nacional é o ‘fora Bolsonaro’
  • 14:52 Vídeos: Em carreatas pelo Brasil todo, manifestantes pedem o impeachment de Bolsonaro
  • 13:17 Bolsonaro é responsável por 156,5 mil mortes por Covid-19, apontam médicos e cientistas
  • 11:07 Ministros do STF defendem responsabilização criminal de Pazuello

A delação de Léo Pinheiro, revelada hoje pela Folha-The Intercept ainda não chegou no essencial: as razões que levaram a Lava Jato a recusar a primeira tentativa de delação do empresário, em 2016.

Pelos documentos relevados pela Folha, a delação atingia diretamente José Serra e seus operadores – Aloysio Nunes, Sérgio Freitas e Márcio Fortes -, confirmando as suspeitas sobre a rejeição da delação anterior: poderia comprometer o movimento pelo impeachment.

Léo foi preso em junho de 2014. Em junho de 2016 sua delação foi recusada. Sabia-se que atingia diretamente lideranças do PSDB e aliados de Michel Temer. A maneira como se montou a desistência da delação é um dos episódios mais canhestros de toda a Lava Jato

Narramos esse episódio no “Xadrez de Toffoli e o fruto da árvore envenenada”. Foi vazada para a Veja um episódio irrelevante, e que sequer constava da delação. Léo Pinheiro teria dito que orientou uma reforma na casa do Ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Dias Toffoli. A reforma teria sido feita por terceiros e devidamente paga por Toffoli. Ou seja, não havia crime e, portanto, não deveria merecer matéria, muito menos de capa. Era mais uma “denúncia a favor”, como no episódio do grampo do Supremo.

Mas, com base nesse factoide, o Procurador Geral da República Rodrigo Janot decidiu cancelar a delação. Simples assim. Na mesma época, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima já mostrava desconforto com a delação da OAS, ao afirmar que a Lava Jato só aceitaria uma delação a mais de empreiteiras. Não fazia sentido. A delação depende do conteúdo a ser oferecido. O próprio juiz Sérgio Moro ordenou a suspensão do processo, sem explicar as razões.

Os vazamentos de agora mostram a extrema partidarização da Lava Jato.

A delação ocorria em pleno processo do impeachment. Foi em junho de 2016. A votação final do impeachment foi em 31 de agosto de 2016

Além de implicar notórios conspiradores – e Aloysio Nunes foi peça chave, inclusive correndo a Washington para pedir a bênção para o Partido Republicano, mal se consumou o impeachment -, não apresentava evidências contra Lula.

Certamente sua divulgação enfraqueceria substancialmente o movimento pelo impeachment. Esta foi a razão da grande armação acertada com Janot para impedir a delação.

 

 

*Por Luis Nassif

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. afonso Schroeder Posted on 21 de setembro de 2019 at 10:40

    Brasileiros querem justiça reconhecemos a INTERCEPT de Glenn Greenwald mostra a quadrilha, mas a inércia do (STF)? Esta comprovado que Moro e Danhaol são perseguidores das esquerdas, irresponsáveis e enganadores do povo que descumpriram a Constituição/88 afastamento e cadeia e o ex-presidente (Lula) liberto e anulado os indevidos processos.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: