19 de setembro de 2020
  • 21:47 Começa a cair de vez a máscara de Moro, Bretas e de toda a Lava Jato
  • 18:38 PF intima Moro para depor no inquérito dos atos antidemocráticos
  • 17:39 Gilmar Mendes dá cinco dias para Bretas explicar operação contra advogados
  • 16:50 Feitiço contra o feiticeiro: Fumaça do Pantanal faz avião de Bolsonaro arremeter em MT
  • 14:20 Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, vai a Roraima discutir a Venezuela

É impossível rever injustiças seculares estruturais e cumulativas com um veículo de massa da potência da Globo que, se é verdade que ela influencia cada vez menos a sociedade, também é verdade que ela influencia cada vez mais as instituições oficiais do Brasil, daí a sensação de que essas instituições não mais existem.

A própria Globo, com a Fundação Roberto Marinho, representa um outro lado perverso na tentativa de controle das manifestações artísticas e culturais do Brasil, que são os famigerados institutos e fundações culturais das grandes corporações, que sobrevivem misericordiosamente com milionárias somas de recursos públicos via lei de incentivo fiscal.

Aliás, não se viu um único presidente de fundação fazer qualquer comentário sobre o fim do Ministério da Cultura e, muito menos dessa diarreia intelectual que assola a minúscula Secretaria de Cultura do governo Bolsonaro.

As polêmicas em torno de Regina Duarte estão muito mais ligadas ao fato de se tratar de uma atriz medalhonada pela Globo do que qualquer outra coisa.

Mas na definição dos papeis que levaram o país a esse marco vergonhoso em que ele passou a ser citado pela imprensa nacional quando debatia o premiado filme “Parasita”, porque, simplesmente, o mundo sabe que a elite brasileira produz a mais perversa concentração de renda do mundo, de maneira totalmente desavergonhada, primeiro, porque ela não se sente brasileira, como de fato não é, não vive no Brasil e não tem o menor interesse em produzir desenvolvimento, apenas a secular mentalidade extrativista.

Essa gente, que choramingou seu ódio contra o bolsa família, contra as cotas, contra os movimentos negros, contra os ganhos reais do salário mínimo, que acha que o BNDES é propriedade dela, e que o governo não tem que financiar moradias populares para os mais pobres e, muito menos produzir políticas de geração de emprego para que a exploração de quem consegue uma vaga, seja garantida pelos “donos da terra”.

O que assistimos é um país de joelhos não aos militares de Bolsonaro, esses fazem parte apenas da guarda patrimonial do 1% mais rico, e não apitam nada, são historicamente apitados pelas classes dominantes em troca de um lugar ao sol na casta fardada da carreira militar.

O mesmo tem que ser dito de um veículo de massa poderoso como a Globo que, como se viu, tempo atrás, a mando do mercado, o general Villas Bôas, em combinação com o Jornal Nacional, postou um twitter contra o habeas corpus de Lula a ser julgado pelo STF e, no minuto seguinte, Bonner faz uma chamada urgente, como se fosse pego de surpresa, num teatro grotesco, e lê o recado da elite escrito pelo general.

A questão é simples, é só olhar a situação do país depois do golpe e seguir o dinheiro, principalmente depois das reformas trabalhista e da Previdência, em nome de uma crise fabricada na mídia e por quem ganhou enormemente com as tais reformas.

Está escancarado nos recordes de lucros dos bancos de quem é a coroa desse império que faz uma nação inteira pagar os pornográficos juros de 400% e 500% no cheque especial, sob o silêncio obsequioso da justiça brasileira diante do achaque dos agiotas oficiais.

Ninguém precisa entender tanto de política para concluir que a violência do dinheiro produz a violência da desinformação para perturbar o conhecimento e atrofiar não só uma parcela da população, mas o poder das instituições de controle do país.

Então, tudo o que se for falar do atual momento, sobretudo no que diz respeito ao assunto em voga, que são as milícias das quais a família Bolsonaro é parte, tem que se lembrar que o grande negócio das milícias que dá mais lucro, é a agiotagem que, com certeza, aprenderam com os maiores banqueiros do país.

Isso basta para afirmar que não há diferença entre a mentalidade marginal e a oficial nesse país. Daí a eleição fraudulenta de um ex-capitão, expulso do exército por suas vigarices que, agora, como Presidente da República, cerca-se de militares como se ele não tivesse sido expurgado da própria instituição que eles representam.

Tudo isso só é possível porque o 1% dos mais ricos do Brasil, que mais concentra renda no mundo, representa o que existe de mais selvagem não do capitalismo como especialidade, mas como comportamento humano, como degradação civilizatória, como ambição doentia e, consequentemente, desmedida. Gente doente, psicopata da acumulação que parece querer se transformar nos novos faraós do mundo.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. Pingback: Globo, a máquina de propaganda do 1% mais rico do Brasil que produz a maior concentração de renda  – Brasdangola Blogue
  2. gustavo_horta Posted on 19 de fevereiro de 2020 at 13:15

    *TEM NADA NÃO, NÃO IMPORTA, A GENTE VAI DAR UM JEITO*
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2020/02/19/tem-nada-nao-nao-importa-a-gente-vai-dar-um-jeito/

    …Agora nós sabemos que podemos comer, vestir, morar e que podemos ter tratamento de saúde, escolas, podemos viajar, podemos passear, podemos ter dignidade.

    Agora nós sabemos que podemos ter dignidade na vida.

    Nós aprendemos também que as nossas patroas e os nossos patrões, ao contrário do que eles dizem o tempo todo e na sua maioria, havendo muito poucas exceções, nos odeiam. Nossos patrões e patroas querem nos ver submetidos e subjugados. Eles não aceitam que a gente ponha a cabeça para fora da senzalas. Para eles somos, e seremos eternamente, escravos.
    Para os endinheirados, nossos patrões e nossas patroas, em geral brancos, com alguns poucos de outras etnias, mas igualmente sovinas e cultuando um ódio e racismo impressionante contra nós. Sejamos nós pretos, brancos, mestiços, indígenas, matutos, mamelucos ou cafuzos, se formos pobres, somos odiados e permanentemente excluídos e repudiados. …

    gustavohorta.wordpress.com

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: