2 de julho de 2020
  • 18:31 Como Bolsonaro ceifou a vida 60 mil brasileiros, quebrou milhares de empresas e dizimou milhões de empregos
  • 16:24 Por atuar de forma criminosa, advogado ligado a Flávio Bolsonaro é alvo de processo de cassação na OAB
  • 14:09 Bolsonaro diz que projeto de lei sobre fake news não vai vingar e que pode vetar
  • 13:13 Flávio ganhou, Carlos perdeu foro privilegiado e terá investigação acelerada
  • 11:46 O rascunho da queda: Reprovação de Bolsonaro na crise é alta mesmo entre os que recebem auxílio

A Polícia Federal concluiu um dos inquéritos contra o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) e apontou ter rastreado o pagamento de R$ 65 milhões em propina da Odebrecht e da Andrade Gutierrez ao golpista em troca de “ajuda” nas obras das hidrelétricas do Rio Madeira. A informação foi revelada nesta quarta-feira pelo jornal O Globo. De acordo com o veículo, o relatório final da investigação foi enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) na segunda-feira 16/III. Caberá à Procuradoria-Geral da República (PGR) decidir sobre o oferecimento de denúncia neste caso.

No curso da investigação, doleiros confirmaram ter viabilizado recursos para operadores de Aécio, por meio do esquema de Dario Messer, o “doleiro dos doleiros” preso pela Operação Lava Jato. A PF acusa Aécio pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Também são acusados desses mesmos crimes o empresário Alexandre Accioly, amigo do tucano, e o ex-diretor de Furnas Dimas Toledo.

“Estão presentes indícios suficientes de autoria e de materialidade de que o deputado federal Aécio Neves da Cunha, ao receber valores indevidos no total de R$ 64.990.324,00 (sessenta e quatro milhões, novecentos e noventa mil, trezentos e vinte e quatro reais) do grupo Odebrecht e da construtora Andrade Gutierrez entre os anos de 2008 e 2011, praticou a conduta tipificada no art. 317 do Código Penal, e portanto, praticou o delito de corrupção passiva, com pena de 2 a 12 anos”, escreveu o delegado Bernardo Guidali Amaral na conclusão do relatório.

No relatório, Guidali Amaral escreve que os repasses “ocorreram em contrapartida pelo exercício de influência a sobre o andamento dos negócios da área de energia desenvolvidos em parceria pelas respectivas construtoras, como os Projetos do Rio Madeira, as Usinas Hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no Estado de Rondônia, notadamente sobre a Cemig, companhia de capital aberto controlada pelo Governo do Estado de Minas Gerais, e Furnas, empresa de economia mista, subsidiária da Eletrobras”.

 

 

*Com informações do Conversa Afiada

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. Roland Scialom Posted on 18 de março de 2020 at 19:53

    Quando será que alcançaremos o estado em que crimes como este contra o estado serão punidos com o sequestro dos bens do acusado e seu banimento para a PQP aqui mesmo no Brasil, ou fora? Atualmente com a quadrilha que está ocupando o poder não podemos contar com isso. Então quando é que alcançaremos o estado em que não serão mais quadrilhas que nos liderarão?

    Reply
  2. Esmael Posted on 19 de março de 2020 at 12:54

    Ninguém solta uma linha sobre a construção da cidade administrativa do estado de Minas Gerais, pelo jeito ela foi feita numa época que Aécio Neves não se corrompia.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: