8 de julho de 2020
  • 18:37 Bolsonaro é tão mentiroso que, quando não está com Covid, o povo acha que está e, quando está, o povo acha que não
  • 15:32 Juninho: Não falo com 90% da minha família por terem apoiado Bolsonaro
  • 14:10 Reuters desconfia de Bolsonaro e afirma que ele “diz ter” coronavírus
  • 12:02 Haddad: Moro não cumpriu a função de juiz, ele usou o cargo para começar sua vida pública na política
  • 10:28 Vídeo – Roda Viva: Só uma mídia tão cretina quanto Bolsonaro para apoiá-lo contra Haddad em 2018.

Em nome dessa loucura institucionalizaram-se as práticas econômicas mais deletérias, como a apreciação cambial, as taxas de juros dos títulos públicos, promovendo a mais brutal transferência de renda da história.

O coronavírus está varrendo como um tsunami ideias estabelecidas e todo um edifício retórico que, nas últimas décadas, sustentou o maior processo de concentração de renda da história.

Toda a lógica que legitimou a concentração de renda das últimas décadas baseava-se em premissas falsas. Na ideia de que todo ganho corporativo reverteria em mais investimentos, que gerariam mais empregos, trazendo um ganha-a-ganha geral. O sofisma da “lição de casa” justificou todos os abusos, de Marcílio Marques, no governo Collor, passando por Pedro Malan, no governo FHC, se prolongando com Antônio Palocci e Henrique Meirelles nos governos Lula e Temer. Os erros de Dilma foram de outra natureza.

Em nome dessa loucura institucionalizaram-se as práticas econômicas mais deletérias, como a apreciação cambial, as taxas de juros dos títulos públicos, promovendo a mais brutal transferência de renda da história.

Esse modelo acabou. O coringavirus veio com pitadas de castigo divino, obrigando a uma solidariedade geral. Sem a solidariedade, haverá morte, conflitos, ranger de dentes, a dissolução do tecido social brasileiro e das barreiras sanitárias, com o coringavirus se impondo definitivamente.

Mas a síndrome do escorpião é terrível.

Ontem, o Globo fez um editorial sugerindo que o funcionalismo público deva dar sua contribuição à crise. Para justificar, recorreu à indefectível economista Zeina Latif, que montou um modelito econômico a la carte, para atender à tese proposta.

Nem vou entrar no caso da Zeina, que ganhou uma belíssima e justa bolada do banco XP por ajuda-lo, com suas análises econômicas, a galgar um reconhecimento do mercado, permitindo um IPO bilionário, que não acontecerá nunca mais, pois fruto das distorções monumentais do excesso de liquidez e de análises furadas de economistas de mercado que levaram o mundo a este situação.

O raciocínio da Globo se baseia no manual das simplificações de planilha, do cabeça de planilha tradicional. Consiste no seguinte: defino a conclusão de acordo com minhas conveniências. Depois, monto um mundo de planilha, apenas com as variáveis que ajudam a justificar meu raciocínio. O economista age como um bom Ministro do Supremo: primeiro firma a convicção política, depois vai buscar o argumento.

O mundo simplificado consiste em um país com duas variáveis apenas: os trabalhadores do setor público e do setor privado.

Como só tem duas variáveis – empregados do setor público e do setor privado – que se façam as comparações.

Diante da rápida e maciça perda de receita das empresas, é preciso agir para que elas sobrevivam. Na quarta, foi anunciado que será proposto que os empregadores possam cortar pela metade o salário de seus funcionários, na mesma proporção da redução da jornada de trabalho. O conceito de que é melhor preservar o emprego e parte da remuneração do que ser demitido é indiscutível.

Ora, se as finanças públicas estão dissolvendo, porque a recessão seca os canais que abastecem o Tesouro de impostos, e é preciso dinheiro público para salvar vidas em hospitais, postos de saúde e garantir alguma renda a dezenas de milhões de pessoas que vivem na informalidade, entre outras, os servidores precisam dar sua contribuição. Eles são um dos maiores itens de despesa nos orçamentos públicos, federal, estaduais e municipais.

Fantástico, justo e correto.

Mas vamos ampliar um pouco o mundo. Além de trabalhadores do setor privado e público, vamos incluir os beneficiários de ganhos financeiros em cima da dívida pública.

O Brasil é um caso único de ganho em cima do Tesouro. Em outros mercados, acionistas e executivos ganham em cima de operações não muito corretas, de recompra de ações, mas, em todo caso, fica entre eles e o mercado.

Veja bem, esse ganho financeiro não gerou um emprego, um aumento do nivel de atividade, não exigiu esforço algum. Bastou aplicar em títulos públicos e esperar o resultado em casa.

Já os gastos do funcionalismo, tirando uma elite de marajás e distorções pontuais, resultam em produtos entregues: aulas, atendimento de saúde, segurança, arrecadação fiscal, regulação do setor monetário etc. Podem melhorar? Podem. Podem deixar de existir? Jamais.

E nada como analisar o próprio balanço do Grupo Globo e comparar receitas financeiras estéreis (pois não resultam em investimentos nem em mais emprego, nem exigem criatividade, inovação, melhorias) com empregos públicos essenciais.

O resultado operacional líquido (aquele que reflete receitas menos despesas) em 2019 foi negativo em R$ 572,5 milhões, contra R$ 530 milhões em 2018. Quando inclui a TV por assinatura, o resultado operacional foi melhor, mas também em queda, de R$ 573 milhões contra R$ 1 bilhão em 2018.

Quando se entra nos resultados financeiros, o quadro muda. A receita financeira em 2019 foi de R$ 752 milhões, contra R$ 1,2 bilhão em 2018. 2020, sem eventos esportivos, será pior.

Mas a questão é outra. Vamos a algumas comparações, com algumas categorias fundamentais do funcionalismo.

Confira a tabela.

O lucro financeiro da Globo em 2018 daria para contratar

* 6.944 médicos clínicos para o SUS,

* ou 25.469 professores do ensino básico,

* ou 7.234 médicos cubanos, garantida a parte de Cuba,

* ou 30.848 funcionários DAS 1 e 8.033 DAS 4,

* ou 8.286 professores com doutorado.

Representa o mesmo que os vencimentos de

– 120 Ministros do STF ou
– 6.186 Almirantes de Esquadra, ou ainda
– 3.963 fiscais da Receita.

Por que é possível essa comparação? E porque a Globo tem interesse em reduzir o salário do funcionalismo público e manter as regras fiscais? Porque todos esses gastos são medidos em reais e constam do orçamento. Saem todos da mesma boca de caixa. E, portanto, a Globo está defendendo os interesses dela e de todos os proprietários de dívida púbica. Em um momento de calamidade, a Globo está discutindo contabilidade.

Vamos comparar, agora, com programas relevantes do setor público.

penúltima coluna é a equivalência com o lucro financeiro de 2019; a última com o lucro financeiro de 2018.

Confira, então, que apenas o lucro financeiro da Globo correspondeu 1,11 o orçamento da Unifesp, a Universidade Federal de São Paulo; a 2,23 da Universidade Federal de Ouro Preto e a 3,52 da Universidade Federal do ABC.

Corresponde a 1,66 vezes mais tudo que é gasto com Vigilância Epidemiológica, 5.20 vezes mais do que os gastos com toda a população indígena e 6,25 vezes as verbas para desenvolvimento científico.

Repito, é um dinheiro estéril, que não resulta em mais investimento, em mais emprego, em mais riqueza. E representa o ganho de apenas uma grande empresa nacional.

Á medida que o coronavirus vai fazendo baixar a maré da especulação, as águas vão se esvaindo deixando à vista os detritos e comparações inevitáveis. E a dúvida que jamais será respondida: como chegamos tão baixo no nível de percepção e no conceito de justiça e de desenvolvimento?

 

 

*Luis Nassif/GGN

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. Hilton Ferreira Magalhães Posted on 19 de junho de 2020 at 06:44

    Todos sabemos que o sistema Globo possui um patrimônio de televisão, que é uma concessão do estado brasileiro; rádio; jornais; revistas; internet; teve a cabo; pay perview; e por tabela, o monopólio do futebol; carnaval; voleibol; copa do mundo; grande parte das olimpíadas e outras “coisitas” a mais, que não têm similar em qualquer parte do mundo onde vigora o chamado regime democrático. De forma descarada, faz uma intensa propaganda contra o que eles designam como um monopólio danoso do estado, ou seja, querem que um ente importante em qualquer nação seja ausente ou minimo. Vide o enfrentamento da Covid-19! É uma grande contradição entre o que propalam e as suas práticas de mercado! Sabemos que o governo Bolsonaro é fraco e tem como figuras de proa adeptos ferrenhos dessa lógica que os donos do Plim, Plim são um dos maiores protagonistas, mas estar na companhia dessa instituição nesse momento exige um pé na frente e outra atrás. Nunca nos esqueçamos que comem filé do bom é do melhor há décadas e sempre os ossos ficam para os outros! Portanto, o bom senso e cautela sempre foram bons conselheiros!

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: