28 de setembro de 2020
  • 22:45 O problema dessa direita provinciana, não é Paulo Freire, é o Brasil
  • 20:52 Vídeo – A vergonhosa mídia de aluguel: Caio Coppola, da CNN, idolatra Bolsonaro e recebe de volta agradecimento público
  • 18:19 Vídeo: No Leblon, arquiteta joga garrafa em mulheres que se beijaram em público e levará um processo
  • 16:43 Vem aí a Ação mundial “Stop Bolsonaro”, dia 11 de outubro
  • 16:14 Bolsonaro é incapaz de governar o Brasil. Este é o novo normal

Quando Bolsonaro volta a falar da sua “facada” que, na verdade, ninguém mais acredita, já se sabe que a história da morte da Marielle cruza ou chega mais perto do clã Bolsonaro, isso não falha.

No caso desta segunda-feira, pelo que se sabe sobre conteúdo do depoimento de Maurício Valeixo, nada a respeito da morte de Marielle veio à baila. Mas tudo indica que, apavorado com o teor do depoimento, o gabinete do ódio, sob o comando do próprio Bolsonaro e filhos, antecipou-se lançando a hashtag #QuemMandouMatarBolsonaro.

Esse novo foguetório pirotécnico vem no dia seguinte ao que o tal advogado de Bolsonaro mudou a versão da facada fake num programa da Band, aquela sem sangue e sem cicatriz, depois de, durante dois anos, dizer que o Psol seria o mandante do atentado, agora diz que foi o PT.

Recapitulando, Adélio desferiu a facada, mas não apareceu sangue e nem cicatriz e, no momento em foi imobilizado, logo a pós o suposto atentado, nem com a faca ele estava, sendo encontrada a uns 10 metros, dentro de um saco plástico, mostrando que Adélio é um sujeito organizado, pois conseguiu numa velocidade impressionante, dar a facada, colocar a faca num saco e arremessá-la a uma distância de 10 metros, sem que ninguém visse ou mesmo filmasse. Tudo isso em fração de segundos sem sofrer um único arranhão no meio daquela pantomima bolsonarista.

Esse é daqueles casos que, de tão comédia, precisam ser estudados pela Nasa.

O fato é que Bolsonaro, todas as vezes em que se sente pressionado pelo assassinato de Marielle, solta esse rojão. Aliás, usou também essa justificativa para tirar Valeixo do comando da PF, dizendo que ele não teve interesse em mandar a PF investigar pela terceira o caso da facada fake.

Ora, isso é ridículo. E por que é ridículo? Porque o próprio Bolsonaro é que pediu para não recorrer à decisão de arquivar o processo, ao contrário, disse que, se Adélio fosse condenado pelo crime, em dois anos estaria livre sem pagar pelo atentado.

Cada vez que Bolsonaro abre a boca para falar de Adélio, e ele sempre faz isso quando a polícia se aproxima do assassinato de Marielle, ele aumenta dois pontos na certeza que as pessoas vão tendo de que a facada foi uma farsa grotesca e que a família Bolsonaro está diretamente envolvida com a morte de Marielle, que teve como autor Ronnie Lessa, seu vizinho no condomínio Vivendas da Barra.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: