10 de janeiro de 2022
  • 20:37 Nas entrelinhas: É um erro imaginar que Bolsonaro não tenha um Plano B
  • 18:25 Governo destinou R$ 5,7 bilhões do orçamento secreto nos últimos dias de 2021
  • 17:02 Carta de general da Anvisa é histórica e humilhante para Bolsonaro
  • 16:07 Capitólio: não foi “acidente”
  • 12:37 Exército estuda não renovar contrato de militares que recusaram vacina

Como escrever sobre o escândalo que envolve o doleiro Youssef sem falar de Sergio Moro?

Nem a Folha, que publicou em primeira mão a bomba que envolve Youssef, Moro e os caciques do Podemos, esperou 24 horas para tirar o assunto da pauta, passando a falar apenas de Bolsonaro.

Esse mesmo diagnóstico foi observado na união da grande mídia como se houvesse uma proibição sobre o assunto Moro e Youssef pelos barões da imprensa industrial para blindar o ex-juiz. Uma solidariedade ao bandido de Curitiba que acaba denunciando Youssef, caciques do Podemos e mesmo do PSDB, partido ao qual Youssef fez inúmeras doações.

Foi a maneira que os barões da mídia encontraram para tentar reduzir os danos que uma chuva de denúncias provocou nas redes contra Moro que investiu cinco anos de sua vida na Lava Jato para satisfazer a sua ambição de, através daoperação, conseguir chegar à presidência da República.

Pergunta-se, aonde está aquele assédio a Moro que a mídia praticava diuturnamente contra Lula e Dilma?

Se ontem Moro escancarou que a Lava Jato tinha como objetivo destruir o PT, a marca Moro foi hoje totalmente blindada pela grande mídia, mostrando que, se depender dessa gente da chamada grande imprensa, não haverá qualquer denúncia contra Moro, o corrupto de estimação dos barões da comunicação e do jornalismo corporativo.

Isso é uma das coisas mais vergonhosas desse país. Nem um pio das Organizações Globo, da Veja, da Folha e do Estadão sobre a miscelânea regada de corrupção que envolve dois personagens centrais da Lava Jato e do Banestado, Moro e seu doleiro de estimação, Alberto Youssef.

Telegram

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso. Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica

Agência: 0197
Operação: 1288
Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Carlos Henrique Machado

Compositor, bandolinista e pesquisador da música brasileira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: