Categorias
Opinião

A impunidade de Bolsonaro e filhos está saindo muito caro ao país

Bolsonaro trouxe do inferno os piores diabos para vagabundear e desbloquear o fascismo no país.

A receita é a violência, e ontem os parlamentares do novo cangaço bolsonarista, mostraram que o inferno é logo ali.

Bolsonaro tem como padrão criminoso desde sempre como militar e político o histrionismo midiático e o terrorismo contra as instituições.

Daí sua expulsão do exército em reação a negativa do comando pelo aumento do soldo. Ou seja, terrorismo/Bolsonaro não é assunto de momento.

Luiza Erundina, 89 anos, passou mal e está internada no hospital após ser atacada por deputados bolsonaristas durante sessão na câmara.

Bolsonaro desperta nos seus discípulos a ira e a ganância desenfreadas. Forma um bando que está desafiando e atacando as instituições do Estado.

Se esse monstro-vigarista não for enjaulado, a coisa vai piorar, porque ele e os seus se sentirão intocáveis para intensificar seus crimes e assaltos, como a privatização das praias e o ataque a parlamentares contrários a eles.

Basta!

Esse sujeito é psicopata e age como tal.

Categorias
Opinião

E se Piovani não gritasse pega ladrão contra o roubo das praias via privatização?

Aonde estavam os dobermanns da mídia com seu faro investigativo que não viram ou ouviram falar na maior pilantragem da história envolvendo Neymar e o Clã Bolsonaro?

Toda mídia, deitada em berço esplendido, dormiu no ponto e não sabia o que estava acontecendo na “casa do povo” contra o povo? É isso meu povo?

Nem um anúncio protocolar foi dado pelos jornalões e revistonas e, sobretudo pelo JN sobre tal escândalo da privatização das praias?

Categorias
Opinião

Privatizar é roubar, é o Estado mínimo para os pobres e gigante para os ricos

Para um capitalismo paratatá, cada dia mais dependente do comunismo chinês, tomar de assalto o Estado com as privatizações criminosas e atacar a esquerda, é o “jeito de governar” da direita.

Privatizar para os aliados que ficam milionários com a barbada, é o único “projeto de país” que a direita tem.

Collor, Itamar, FHC, Temer e Bolsonaro não nos deixam mentir.
O propósito do roubo na fábula ladra é sempre a mesma para os mesmos. Transformar o Brasil em um Estadinho.

Na mídia, a pergunta que ninguém faz é: o que melhorou na vida do país, sobretudo para o povo, as privatarias que esses canalhas promoveram contra o patrimônio dos brasileiros?

Categorias
Opinião

De Rei a Réu

Com sua carreira  de juiz no topo, após condenar e prender Lula sem prova de crime, Sergio Moro se transformou numa espécie de rei do Brasil. Ele era mais do que bem vindo nas altas rodas da burguesia nacional.

Moro era realmente o novo imperador da nação, inspirando os próprios pares a seguirem a mesma rota, até que Moro resolve pegar um atalho na política, saindo completamente da condição de juiz para se vender como a nova vedete da direita nacional, quando foi anunciado por Bolsonaro, já eleito, como seu super ministro da Justiça e Segurança Pública.

Sem perceber, Moro estava caindo na armadilha da ambição.

A princípio, a avaliação de Moro estava acima da de Bolsonaro. Ou seja, para ele, Moro e sua vizualização política, aquilo foi uma ótima ideia. No entanto, ser recrutado por um sujeito enlameado e aceitar seguir uma carreira política, utilizando o trilho da milícia, posicionando-se como um fascista, Moro teve que trabalhar para garantir a impunidade de Bolsonaro, de seus filhos e de sua própria integridade, já que veio à tona um acordo entre ele e Bolsonaro para que Moro prendesse Lula, que venceria a eleição no primeiro turno, para Bolsonaro ser presidente e, Moro, ministro.

Num primeiro momento, a grande mídia ficou muito feliz com seu autobenefício, mas a coisa começou a ganhar peso e foi além das suspeitas de manipulação da prisão de Lula para que ele, a partir de então, construísse sua carreira política rumo à presidência da República, escancarando, sem qualquer cuidado, que sua decisão contra Lula foi cem por cento política.

Lógico que o covarde estava na viela esperando o momento certo para dar um bote em Bolsonaro que, percebendo que seria traído por Moro, resolveu demiti-lo. Isso ficou explícito naquela famosa reunião ministerial em que Moro aparecia agachado, humilhado. Bolsonaro, falando sobre algo que dava a Moro o diploma de traidor.

A curta duração, dois anos, de sua estada no governo Bolsonaro, não  impediu Moro de montar sua estratégia política para ser candidato à presidência em 2022.

Só que os bolsonaristas julgaram e condenaram a traição do infeliz. Para piorar, Moro teria que enfrentar Lula, pois o STF entendeu que a república de Curitiba cometeu crimes suficientes para mostrar que o julgamento e a prisão de Lula foram criminosos.

Moro, que já havia perdido muita massa muscular no mundo bolsonarista, entrou sarcopênico na disputa presidencial sem conseguir conexão com grandes lideranças políticas, já que também traiu seu principal padrinho, Álvaro Dias, para tomar seu lugar como senador do Paraná, deixando claro que o sujeito realmente não presta, que é muito pior do que se imaginava.

Seja como for, a derrota de Moro hoje no STF em que se torna réu, pode lhe custar a cassação, mas além disso, Moro está politicamente acabado.

Categorias
Opinião

Globo e seu bolsonarismo por osmose 2

Foram 4 anos de apoio irrestrito que Paulo Guedes teve de toda mídia brasileira para devolver 31 milhões de brasileiros para a miséria absoluta e o país voltar ao mapa da fome. A mídia assinou embaixo em apoio a Bolsonaro via Paulo Guedes.

Nessa nova fase de apoio ao bolsonarismo por osmose, a Globo já cerra fileiras sem restrição o governo Tarcísio Freitas, em São Paulo, de olho tático na disputa presidencial contra Lula.

Os holofotes e microfones da GloboNews dados para Flavio Bolsonaro se “explicar” sobre a PEC da privatização das praias” como sempre sonhou o papai, é apenas parte da receita das inúmeras operações “passa pano” que a Globo prepara para apoiar o bolsonarismo.

Nem tudo são flores nesse novo acordo entre Bolsonaro e os Marinho.
Bolsonaro não confia em Tarcísio e já mandou Malafaia seu escudeiro interesseiro berrar traição.

Bolsonaro sonha em disputar a eleição de 2026, se muito aceitar nova derrota no TSE e um filho seu, adestrado, substituí-lo.

Possivelmente, Flavio ou Eduardo, um deles vorá como candidato à presidência se o chefe do clã ficar mesmo fora do pleito. Há ainda a possibilidade de Carluxo tentar uma cadeira no Senado junto com o  irmão. Flavio nega essa possibilidade, mas sem convicção expressa na sua fala.

Categorias
Política

Latifúndio quer colocar faca na nuca de Lula, apelando ao STF para que impeça a importação do arroz

Todo o dinheiro das leis que subsidiam o agro, no Brasil, vem do suor do povo, ou seja, um dinheiro perfumado, com juros negativos para que o Brasil possa ter competitividade internacional, mas sobretudo para que não falte comida na mesa do povo, que paga a conta do subsídio do agro.

Pois bem, o agronegócio brasileiro entrou com pedido no STF para impedir que Lula importe arroz a ser vendido pela metade do preço do seu arroz.

A função primeira de um presidente da República é alimentar o povo que ele representa, por isso Lula é quem ele é e, por sua qualidade, competência, empatia, é respeitado no mundo inteiro, pelas mais variadas correntes ideológicas e colorações de bandeiras.

Mas, no Brasil, essa praga colonialista, escravocrata, que trata os índios em sua terra, como invasores e o Movimento dos Trabalhadores sem Terra, como terrorista, como mostrou o líder no Congresso da banca ruralista, o bolsonarista, Pedro Lupion que, na sua arrogância, acha que Lula deve a eles explicação de cada um dos seus passos antes de tomar qualquer decisão que, supostamente, prejudicaria o agro.

1 – Quem abriu mercado internacional para uma expansão extraordinária do agro, foi justamente Lula;

2 – Quem avisou que o preço do arroz subiria e muito aqui no Brasil, em consequência das inundações no Rio Grande do Sul, foi a turma do agro, que tem como slogan que o Brasil de pende deles.

Essa paixão que eles têm pelo miliciano Bolsonaro, já deixa claro quem são, e tentarão emparedar Lula, mas quebrarão a cara, porque esse tipo nojento de especulação, a população não atura.

Lula fez o certo, importou arroz para ser vendido pela metade do preço para não faltar na mesa dos brasileiros. O reto é agiotagem, que acha que pode, com um mata-burro, impedir que a população brasileira garanta todos os alimentos da cesta básica em sua mesa.

Categorias
Opinião

Por que os bolsonaristas estão calados sobre a privatização das praias?

Taí um assunto merda! Quanto mais mexe, mais fede.

A direita bateu biela com o escândalo da privatização das praias brasileiras, tendo o clã Bolsonaro como cabeça e Neymar como escudeiro e beneficiado.

O fato é que o troço solou, talhou e apodreceu em menos de 24 horas, após Luana Piovani colocar a boca no trombone nas redes. Quem poderia imaginar que Piovani detonaria Neymar e o clã Bolsonaro numa tacada só? Seja como for, a privatização encalhou. Não há como reverter o estrago

Mas qual a opinião do bolsonarista sobre isso?

Ninguém sabe. O gato comeu a língua do gado. Não há como desbloquear a cabeça dessa gente de dois neurônios. Travou, fundiu sua cachola oca. Fim!

Categorias
Opinião

Flávio Bolsonaro que sempre se lixou para os desempregados, quer privatizar praias para gerar empregos

A propaganda pró-sionista da GloboNews no holocausto palestino, é das coisas mais nojentas que a gente já viu.

Luana Piovani meteu uma água fervendo no Chopp de Neymar e Flavio Bolsonaro, que valeu por uma chinelada épica!

Flavio Bolsonaro, que no governo do pai, nunca se preocupou com desempregados, fala agora em geração de empregos pra privatizar praias.

Lembrando que Flavio tentou no governo do pai privatizar Fernando de Noronha pra transformar aquilo tudo em cassino.

A maior piada dos Bolsonaro é colocar para comandar a economia, um dos abutres mais vorazes do sistema financeiro, chamado Paulo Guedes, e dizer que Bolsonaro era contra o sistema.

Categorias
Opinião

Impunidade perfumada: Clã Bolsonaro faz bundalelê na cara da justiça

A justiça no Brasil, todos conhecem, afrouxa para os ricos e arrocha os pobres. São as árvores velhas da escravidão que mantêm um horizonte de impunidade para uns e, para outros, a segregação e castigo.

É uma espécie de molecagem jurídica, mas, com tudo o que já se sabe, a tragédia provocada por Bolsonaro no governo, seja o genocídio de 700 mil pessoas, uma fileira de casos, para lá de provados, de corrupção, é algo de que não se tem notícia na história desse país.

O cinismo é tanto, que os bolsonaristas reproduzem com gosto o discurso de Bolsonaro sobre esses dois pilares que se destacam num governo sem qualificação.

Isso é tão verdade que essa choldra acaba de lançar uma marca de perfume, como se esse país não tivesse constituição e, consequentemente, justiça.

Aqui nem se fala de golpe de Estado, comandado por essa mesma escória miliciana e, por mais que se tente acreditar que a justiça no Brasil se move para um processo evolutivo, esse bundalelê que os Bolsonaro fazem com a calça frouxa, por não serem realmente punidos por coisa nenhuma, dá uma enorme desesperança do sistema de justiça.

Categorias
Opinião

Preso, Bolsonaro não terá direito à saidinha

Não bastasse a bancada bolsonarista votar pela proibição da chamada saidinha dos presos em datas comemorativas, atingindo em cheio os que foram condenados pelo 8 de janeiro, isso contribuirá para que, preso, Bolsonaro e sua tropa familiar, incluindo todo o seu principado.

Uma coisa é certa, Bolsonaro comandou se4us súditos a votarem contra a saidinha, jogou às baratas os trouxas do oito de janeiro, da Papuda e da Comeia.

A não ser que Bolsonaro enxergue a justiça brasileira como palha de milho, transformada numa justiça de várzea, aonde um coronel do agronegócio manda e desmanda nos juízes do racha.

Seja como for, se seu julgamento for norteado pela constituição, Bolsonaro será condenado por um fluxo de crimes que trafegou de genocídio de 700 mil brasileiros na covid ao escandaloso roubo de joias.

Obs. e aqui nem citamos que Bolsonaro era vizinho do assassino de Marielle.