27 de janeiro de 2021
  • 19:42 Bolsonaro pagou R$ 162,00 por cada lata de leite condensado
  • 18:43 Bolsonaro libera, mas Pfizer nega venda de vacinas a empresas no Brasil
  • 16:33 Vídeo: Médico denuncia a prática de eutanásia em Manaus e acusa Bolsonaro de negligência
  • 15:04 Vídeo: O que Bolsonaro gastou com leite Moça dá para comprar 10 triplex que Moro disse ser de Lula
  • 12:10 Em homenagem a Bolsonaro, o livro de Eduardo Cunha deveria se chamar “fica, querido”

Glenn Greenwald, diretor do site The Intercept Brasil, foi chamado para uma audiência no Senado para falar sobre as ameaças recebidas em função das matérias publicadas envolvendo os integrantes da operação Lava Jato, em especial, o ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol.

Segundo Glenn Greenwald as informações de maior impacto obtidas por meio das conversas de Telegram interceptadas de procuradores da Lava Jato ainda não foram divulgadas.

“Essa reportagem vai durar quatro, cinco, seis meses. Ainda há muito material relevando e vamos publicar até o final”, disse Glenn ao defender que a equipe do Intercept tem sido muito cuidadosa com o material obtido, o que justifica a demora na liberação das reportagens.

Nesta segunda (17) Greenwald foi convidado pelo Conselho de Comunicação Social do Senado para falar sobre “ameaças recebidas no exercício da profissão de jornalista e liberdade de imprensa no Brasil”.

A audiência acontecerá no dia 1º de julho. A iniciativa de chamá-lo partiu do representante da sociedade civil no Conselho, o advogado Miguel Matos. “Greenwald tem dito que vem sofrendo inúmeros atentados ao livre exercício do jornalismo.

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: