30 de novembro de 2020
  • 23:11 Cai a máscara do cínico: Moro será sócio de consultoria que administra a quebra da Odebrecht e da OAS
  • 20:17 A vitória de pirro da direita
  • 17:22 Por que o Ibope, sem justificativa, cancelou as pesquisas de boca de urna?
  • 15:54 A bela união das esquerdas já vale qualquer resultado
  • 13:18 Globo, que cresceu de braços dados com a ditadura, não aceita Lula por ter afrontado os ditadores

Luis Nassif – Um episódio que passou despercebido revela, bem, o envolvimento do Ministro Luiz Edson Fachin com a Lava Jato e sua parcialidade absurda.

Certo dia, um delegado de Curitiba mandou um ofício criticando a cópia do Drousys, o sistema de ERP da Odebrecht que, segundo ele, tinha vindo adulterado da Suíça. Juntou o ofício na ação penal.

Ao perceber o engano, o então juiz Sérgio Moro alegou que o ofício não tinha interesse, e ordenou o translado para um determinado arquivo, do qual a defesa de Lula nunca tinha ouvido falar. Descobriu-se, com isso, que havia autos secretos não acessados pela defesa.

Foram, então, ao Supremo com uma reclamação alegando que o tal arquivo tinha informações valiosas para a defesa, pois colocando em dúvida o sistema. Em um instante de distração, monocraticamente Fachin considerou a reclamação pertinente e autorizou o acesso.

Quando recebeu o ofício do Supremo, a juíza Gabriela Hardt se recusou a cumprir a ordem. Intimou a Odebrecht e o Ministério Público Federal para se manifestar e enviou ofício a Fachin dizendo que não iria dar o acesso.

Era uma desobediência que afrontava a autoridade do Supremo. A reação de Fachin foi colocar panos quentes. Informou que mandaria fazer uma perícia. A defesa sustentou que não estavam pedindo perícia, mas acesso aos autos. Fachin proferiu quatro ou cinco decisões, tipo não sei bem do que estão falando, e não permitiu o acesso aos autos.

Embora sua primeira decisão tenha transitado em julgado, está em curso um agravo regimental para a Segunda Turma. Ontem, o Ministro Ricardo Lewandowski pediu vista. Pedindo, o caso sai do plenário virtual e será julgamento presencialmente.

Dependendo da decisão da Segunda Turma, será aberta uma das maiores caixas pretas da Lava Jato.

As duas maiores caixas pretas continuarão indecifradas: o que ocorreu com Luiz Edson Fachin e Luis Roberto Barroso para uma virada tão radical em sua biografia.

 

 

*Do GGN

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. José Cesar Pereira Posted on 5 de novembro de 2019 at 22:53

    O A-ha U-hu o Fachin é nosso! continua ressoando nos ouvidos de todos os brasileiros que ficam indignados com a a covardia de Fachin e outros ministros do Supremo, a começar pelo presidente marionete de generais de pijama. São confrontados e humilhados pela desobediência de juízes da primeira instância da “Organização Criminosa e Terrorista da Lava Jato Parcial da Conexão de Curitiba” de Moro, Dallagnol outros gangsters. Praticam todo tipo de crime para manterem Lula como um “preso político” e são apoiados pelas mídias enganadoras e pelo STF de Exceção do Brasil Golpe Continuado fase pré-ditadura militar e judiciária. São escândalos tenebrosos que destroem a democracia e o estado de direito. Nunca o Brasil e o mundo precisaram tanto de Lula #LulaLivre

    Reply
  2. afonso Schroeder Posted on 6 de novembro de 2019 at 07:03

    STF parem de fazer trocadilhos tentando enganar o povo brasileiro o que tem a lava jato com a honestidade de gestão pública comprovada inclusive pela “INTERCEPT” com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Lula)??? Liberdade já e anulação dos processos onde não tem atos ilícitos não a crime ou mudaram Constituição//88 para as esquerdas? E mais “Moro” na cadeia é comprovadamente descumpridor da Constituição/88 cadeia já a “Moro”.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: