22 de setembro de 2020
  • 23:11 Bolsonaro, que teve quase 70% dos votos em S. Paulo, hoje tem 27% de aprovação
  • 22:00 Vídeo: Flávio Bolsonaro foge de acareação com Paulo Marinho e dança em programa de Sikêra Jr
  • 19:44 TRE decide: Crivella está inelegível
  • 18:57 Lava-Jato descumpre decisão do STF e não entrega a Lula documentos de leniência da Odebrecht
  • 18:10 Bolsonaro exalta o caos para tentar esconder seu fracasso

A crise provocada por Bolsonaro por compartilhar um vídeo convocando a população para um ato contra o Congresso e o STF, recebe agora o repúdio de Celso de Mello, confirmando a velha máxima de que “todos sabem como um golpe começa, mas não sabem como termina”.

Lembrando que, o desmonte institucional no Brasil, deu-se a partir do momento em que o STF aceitou se transformar em programa de auditório da Globo e participar decisivamente da farsa do mensalão.

O Ministro Celso de Mello, na época, era um dos principais protagonistas do ramerrão falso moralista martelado pela Globo e fogueteado por Bolsonaro.

Agora, que Bolsonaro se vê cada dia mais pressionado pelo seu envolvimento in contest com a milícia e, consequentemente com a contravenção, somado ao descontrole da economia, com um PIB decepcionante para o mercado, além da disparada do dólar, usa o Congresso e o STF como boi de piranha para tentar o impossível, fazer seu clã atravessar essa tormenta miliciana ou mesmo utilizar o impeachment como cortina de fumaça política para justificar uma falsa perseguição com as denúncias que explodem contra o presidente e seus filhos, de envolvimento direto com os múltiplos negócios dos milicianos, o assassinato de Marielle Franco e a queima de arquivo de Adriano da Nóbrega.

Para piorar, poucos dias depois da morte de Adriano na Bahia, um bicheiro é assassinado na Barra da Tijuca, irmão do Maninho, Alcebíades Paes Garcia, o Bidi, que estava em guerra com a sobrinha, filha e herdeira de Maninho, que foi assassinado na saída de uma academia no Rio de Janeiro.

Detalhe: O miliciano, Adriano da Nóbrega, o herói de Bolsonaro, assim como Ronnie Lessa, através do escritório do crime, prestava inúmeros serviços a Maninho, que deixou como herança para a filha o pistoleiro de aluguel, Adriano da Nóbrega, considerado herói por Bolsonaro e condecorado por Flávio a seu mando, segundo o próprio presidente da República.

Talvez por isso as palavras de Celso de Mello tenham sido tão duras diante de um moribundo político, como se lê abaixo, da série, cachorro morto, todo mundo chuta:

“Essa gravíssima conclamação, se realmente confirmada, revela a face sombria de um presidente da República que desconhece o valor da ordem constitucional, que ignora o sentido fundamental da separação de poderes, que demonstra uma visão indigna de quem não está à altura do altíssimo cargo que exerce e cujo ato, de inequívoca hostilidade aos demais Poderes da República, traduz gesto de ominoso desapreço e de inaceitável degradação do princípio democrático!!! O presidente da República, qualquer que ele seja, embora possa muito, não pode tudo, pois lhe é vedado, sob pena de incidir em crime de responsabilidade, transgredir a supremacia político-jurídica da Constituição e das leis da República!”

 

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

3 COMMENTS

  1. Afonso Schroeder Posted on 26 de fevereiro de 2020 at 10:29

    “Bozó” mais parece chefão de quadrilha descumpridor da CF/88, tenta enganar o povo, vemos com quem anda para ver quem é (Moro descumpridor da CF/88 comprovado pela INTERCEPT) dois elementos nocivos a sociedade não tem tempo para gestão se especializaram para “caçar” políticos de esquerda.

    Reply
  2. schabibhany Posted on 26 de fevereiro de 2020 at 11:26

    Concordo em gênero, número e grau com Afonso Schroeder.
    Gostaria observar ainda que a benevolência do STF em toda a execução do golpe foi suicida e que os tardios clamores pelo cumprimento da lamentavelmente violentada Constituição Cidadã podem não passar de jogo de cena, próprio desses senhores de toga, para ficarem perante a História como dissidentes de uma aventura iniciada (é bom que seja reiterado sempre) pelos pseudodemocratas tucanos, por meio do Aécio, Serra e Alkmin (e a retaguarda de FHC, Anastasia, Jereissatti e Aloysio Nunes Ferreira Filho, o “Mateus”, cusiosa e inexplicavelmente único sobrevivente do fusca crivado das balas assassinas de Marighella na depois comprovada falsa troca de tiros num local ermo da pauliceia sob o jugo de Sérgio Paranhos Fleury).

    Reply
  3. José Cesar Pereira Posted on 26 de fevereiro de 2020 at 15:03

    O que o Brasil precisa é de ação concreta em defesa da democracia, do estado de direito e da soberania nacional contra os ataques de um chefe de um bando de fascistas, milicianos e psicopatas. Ocupam a presidência do país pelos crimes da Organização Criminosa e Terrorista da Lava Jato Parcial com a conivência de um judiciário apodrecido, das mídias enganadoras e de generais de pijama traidores, não nacionalistas. São cúmplices dos ataques a democracia e ao estado de direito. Os limites constitucionais estão sendo demolidos de forma impune. Estamos no Brasil do Golpe Continuado, assinado pelo império americano que avança rapidamente para uma ditadura militar e judiciária onde o fascismo mostra as garras a todod momento. O Planalto se transformou em um Quartel General Militar e Miliciano, que abreviarei como “QGMiMi”. O “Poder Que Emana do Povo” precisa sair da hibernação. Resistência e luta! Não há outro caminho. Exigimos a restauração imediata dos direitos políticos de Lula. #ForaBolsonaro #NovasEleiçõesJá

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: