4 de dezembro de 2020
  • 12:04 Governo oferece ministérios em troca de apoio a Arthur Lira para derrotar Maia
  • 10:51 Youtubers bolsonaristas faturam R$ 100 mil mensais com informações privilegiadas
  • 19:47 Sobrinho de Bolsonaro, é nomeado para cargo no Senado com salário de R$21.4 mil
  • 17:09 Covid-19: Bolsonaro ignora reunião da ONU com 90 presidentes
  • 14:44 ABJD pede investigação contra Sergio Moro no Ministério Público Federal e na OAB do Paraná

Não há qualquer surpresa na decisão do ministro vassalo, Luis Edson Fachin. Não existe sujeito mais acovardado num STF covarde do que Fachin.

Pouco se sabe e pouco se fala do que todos nós soubemos tempos atrás, de uma caixa preta de ferramentas de extorsão montada a partir de gravações clandestinas dos procuradores da Lava Jato. E se são clandestinas, não há limite para ilegalidades. Isso significa que, se eles tinham na mira determinado personagem, membros de sua família também eram parte do conjunto da obra.

A fala de Dallagnol, “aha uhu, o Fachin é nosso”, possivelmente vem dessa certeza de quem sabe que ele é obrigado a comer nas mãos dos canalhas comandados pelo canalha Moro, com a a ajuda luxuosa da grande mídia.

Aliás, essa foi uma das partes mais tensas da entrevista de João Santana no Roda Viva, nesta segunda-feira, quando afirmou que a Lava Jato foi tri-campeã de marketing em parceria com a mídia. Mas nada disso justifica o despudor histórico de um judiciário vassalo da burguesia. Esse pacto de sangue sempre existiu.

Toda aquela afetação “erudita” dos meritíssimos a que se assiste por aí em todas as instâncias é mera peça de uma retórica teatral que se opõe à realidade do que ali dentro é praticado.

No Brasil, a justiça sempre foi e continua sendo operada como principal braço dos magnatas e todos aqueles que se acham donos dos destinos do país, uma aristocracia inculta que vive pelo menos uns 200 anos de atraso em relação à sociedade.

Fachin é apenas um bolostrô que expressa isso em sua própria imagem, mas não é o único sabujo de um sistema de justiça totalmente contaminado em seu comando pelo ódio de classe.

Promovido pelo Estado, o banho de sangue impune que se vê nas favelas contra o povo negro está diretamente ligado ao pacto, ainda escravocrata, entre o judiciário e os “donos da terra”. Não é por acaso que o agronegócio dá as cartas políticas nesse país, sobretudo quando associado aos grandes rentistas e à grande mídia, “agro é pop”.

O Brasil é, certamente, o país que tem a elite econômica mais atrasada do planeta, tal a linha mestra que conduz a cabeça arrogante dessa gente que até hoje vive com a sesmaria debaixo do braço.

Fachin, que é um anão moral, com certeza, é chantageado pelo califado de Curitiba e não se oporia a quem o tem nas mãos.

Como disse ontem João Santana, para frustração dos jornalistas tucanos do Roda Viva, “Lula é um personagem único na história”. Não foi pra isso que o programa o levou lá, a intenção era levar alguém amargo, rancoroso que pudesse buscar uma suposta vingança diante dos holofotes da TV tucana, o que frustrou a turma da chaleira tucana.

Certamente, quando João Santana fez suas críticas à Lava Jato, como a criminalização apenas do caixa-2 do PT, aliviando os demais partidos, ele não se estendeu em sua avaliação ao próprio sistema de justiça que deu a Moro o caminho de boi, talhado há séculos, de servidão desse sistema à oligarquia, da mesma forma com que se vê nas decisões de Fachin contra Lula o mesmo propósito de criminalizar a maior liderança, o maior presidente e o governo mais bem avaliado da história do Brasil, na tentativa inútil de enterrar Lula e salgar sua biografia.

Na verdade, Fachin fala muito mais de si e do próprio judiciário do que de Lula, mostrando que a sociedade terá que, num momento que já parece próximo, discutir judiciário que funciona como o principal braço institucional de quem produziu tanta desigualdade e tanta miséria nesse país.

*Carlos Henrique Machado Freitas

*Foto destaque, arte: Brasil de Fato

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

3 COMMENTS

  1. João Custódio Vieira Filho Posted on 27 de outubro de 2020 at 11:12

    Por duas razões pessoas como fachin tomam decisões desta natureza, a saber: por muito dinheiro ou porque tem uma pistola glock apontada na nuca. Não acredito numa terceira razão. Esta gente, quando se aposenta, a exemplo do senador rodrigues, sai com o rabo cheio de dinheiro.

    Reply
  2. Pingback: “O Fachin é nosso” nega pedido de Lula para suspender julgamento  – Brasdangola Blogue
  3. lauritadaluzsilvacardoso Posted on 27 de outubro de 2020 at 16:30

    A nossa condição de País sub desenvolvido se deu por conta do judiciário. Rui Barbosa Cobrou indenização para ” essa gente” distribuição de terras para os recém libertos, mas o Judiciário Bandido se juntou com um legislativo assassino e proibiu a propriedade da Terra para os Negros. Foi assim que meu Bisavô fazendeiro perdeu a fazenda e gado e Cana em São Fidelis, O nome era Casa Branca, . O mais incrível é que foi o padrinho de Meu avô, compadre dele, que registrou a fazenda em seu próprio nome .. Quando meu avô doente quis vende la não pode. O compadre Branco o Roubou. Meu avô era instruído, tocava Flauta de 5 chaves, foi dono de ferraria. Era aquilo que chamam caboclo escuro de Cabelos lisos . Deve se a este judiciário a Miséria do País.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: