25 de fevereiro de 2021
  • 22:03 Por que o Brasil chegou a 250 mil mortos? Porque a Globo, que apoiou a ditadura, apoiou o presidente que defende a tortura
  • 21:12 Delação de Nythalmar pode implodir Bretas e a Lava Jato carioca
  • 19:29 Fachin aceita ação de Lula que aponta canal informal da Lava Jato na Suíça
  • 18:37 Sem plano eficaz de imunização, verba das vacinas paga gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército
  • 16:18 Bolsonaro vai trocar o comando da Comunicação, sai Fabio Wajngarten e entra um militar

“O desprezo com que este ministro fala sobre garantistas é enojante. E ele só virou ministro por ter sido confundido com um. Ou ter-se disfarçado de. Depois de empossado é que revelou seu populismo penal, com pitadas de psicopatia….“(Marcelo Semer).

Barroso diz que não é fácil e nem simples a tarefa de fazer com que o Brasil deixe de ser o país onde o crime compensa, os bandidos perseguem os mocinhos e o mal vence no final.

Nesse bangue-bangue em que ele tem relação afetiva direta com os mocinhos, Barroso diz que a Constituição proíbe expressamente a utilização de provas ilícitas em processo de qualquer natureza.

Certamente, Barroso acha que a prova do powerpoint de Dallagnol, seu mocinho preferido, nesse faroeste à brasileira, contra Lula na base da convicção, é constitucional.

Pior, Barroso, com certeza, acha que laços afetivos entre procuradores e ministros envolvidos no mesmo caso, um acusando e o outro julgando, é coisa de mocinho e não de bandido.

O que piora ainda mais é Barroso chamar de “posição técnica” laços afetivos entre ministro e procurador envolvidos diretamente num mesmo caso.

O que Barroso, em seu treletê retórico, não fala é que ninguém da Lava Jato contestou as mensagens vazadas pelo Intercept.

Só sabem dizer que foram vazadas ilegalmente como se os vazamentos ilegais da Lava Jato para a Globo fossem feitos dentro da legalidade, inclusive o que foi feito por Moro contra a Presidência da República numa conversa de Dilma com Lula.

Para entornar o caldo cheio de fantasias teatrais, Barroso perdeu a memória,  pois defendeu as 10 medidas de Moro.

Entre as dez medidas uma é usar prova ilícita para criminalizar cidadãos.

Mas Barroso parece que bateu a cabeça em algum lugar, porque agora lembra que existe uma constituição.

Parece que a vista do ministro Barroso, alcança a Constituição Federal até o limite dos seus interesses pessoais.

Não foi o “pula pocinha” em suas mais recentes, no STF, que subiu no coreto e defendeu o linchamento popular como termômetro da boa justiça e deu um bico na constituição?

Para Barroso, armação de juiz parcial com procurador, pode.

O que não pode é isso ser revelado através de mensagens vazadas.

Mas há um detalhe que faz o pomposo Barroso cair do tamanco.

O próprio diz que são provas. Ou seja, foram conseguidas ilicitamente, mas são provas de crime de seus mocinhos da Lava Jato.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. afonso Schroeder Posted on 2 de novembro de 2020 at 07:23

    Trabalhador vê diuturnamente trocadilhos dos justiceiros lamentável mas não temos justiça honesta no Brasil p/cumprir a CF/88 ex-presidente (Lula) 100% inocente e onde esta o (STF)?

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: