30 de maio de 2020
  • 20:38 Vídeo – Zé Dirceu: O Moro vai virar comentarista de operação policial
  • 17:48 Os 100.000 mortos dos Estados Unidos: assim fracassou o país mais poderoso do mundo
  • 15:48 Donos de perfis anônimos alvo do STF encontraram-se com Bolsonaro e Heleno
  • 14:05 Bolsonaro e Guedes são os culpados pela tragédia humana e econômica provocada pela COVID-19 no país
  • 11:35 Alexandre de Moraes já tem informação para ações explosivas: PF já identificou Carlos Bolsonaro

Ficou nítida a distância que o ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta manter de Bolsonaro nas coletivas que deu sobre o coronavírus.

Hora nenhuma se viu citando o “presidente” para justificar as ações da pasta. É como se o ministério da Saúde fosse um governo independente ou que Bolsonaro nem existisse.

Curiosa também foi a fala de Mourão assumindo uma outra postura em relação a que vinha adotado mais reservada e monossilábica.

A impressão que deu na fala de Mourão é que ele assumiu as rédeas do governo em acordo com o mercado que, como sabemos, é quem manda na birosca, tanto que Mourão fez questão de se posicionar contra, de forma oposta a Bolsonaro, sobre a participação do governo na manifestação contra o Congresso e o STF no dia de março. Mourão termina sua fala com uma frase nitidamente escrita pelo mercado, que o Brasil vive uma democracia liberal.

O mesmo pode se dizer do comportamento do Congresso sobre as reformas administrativa e tributária que Maia e Alcolumbre resolveram tocar independente de Bolsonaro, no momento em que Bolsonaro faz coro com seus devotos contra o Congresso.

O tom de Maia e Alcolumbre é de quem tem, não a autorização de Bolsonaro, mas do mercado, ignorando por completo a agenda da Presidência da República perante o Congresso.

Normalmente, em uma crise como essa, instalada por um presidente contra o Congresso, as pautas supostamente propostas pelo governo seriam travadas até que a turma do deixa disso organizasse as pazes entre o executivo e o legislativo, já que o STF deu uma resposta cheia de efeitos e afetações eruditas de Celso de Mello, mas não moveu um passo além do velho trololó do decano, com seu velho pedantismo linguístico.

Na verdade, Bolsonaro também se fez de morto e, com isso, a coisa ficou no ar, até porque o STF não tem qualquer ingerência sobre as pautas do governo, ao contrário do Congresso.

Guedes saiu de cena, possivelmente para que o legislativo avançasse na agenda sem parecer que estaria atropelando o inexistente presidente que, provavelmente sabe de tudo o que está acontecendo, mas faz ouvidos moucos, porque sua situação política nunca esteve tão deteriorada e, como se sabe, ele precisa da cadeira e de seu guarda-costas, Sergio Moro, para tentar o máximo possível afastar as denúncias ou ao menos adiar os efeitos delas de sua relação e de sua família  com a milícia e, consequentemente Queiroz, Adriano da Nóbrega, Ronnie Lessa e Marielle Franco.

Isso, sem falar do motim dos milicianos do Ceará que ele apoiou, colocando-se frontalmente contra a Constituição. E Moro, como uma espécie de Calunga de seu chefe Bento Carneiro, seguiu o mesmo comportamento.

Por falar em amotinados, Bolsonaro, em sua live, havia decidido tirar do Ceará as Forças Armadas, mas como governadores de estados do Ceará, como forma de pressão ao governo, ofereceram enviar parte de suas PMs para auxiliar na segurança do Ceará, Bolsonaro imediatamente recuou e decidiu atender ao pedido do governador Camilo Santana estendeu o prazo até o dia 06 de março.

O fato é que Bolsonaro já não fala mais como um presidente da República, fala como Bolsonaro, o de sempre, o deputado que usa de retóricas beligerante, ataques a jornalistas para animar seu gado, principalmente, o corporativista. Mas dali não sai.

Na verdade, ele se protege naquele cercadinho em frente ao Palácio da Alvorada para falar com a imprensa e ser fotografado com fãs, mostrando a mediocridade de um sujeito que não tem o menor cacoete para ser chefe de estado num país como o Brasil.

Por isso mesmo tudo indica que Bolsonaro já foi destituído e se transformou numa espécie de Quincas Berro D’água.

Para fechar a desconfiança de que ele não governa mais, os editoriais dos jornalões, praticamente, o destituíram do cargo, para mantê-lo como presidente de honra dos bolsominions, uma rainha da Inglaterra tropical.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

 

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: