Categorias
Mundo

Assange deixa a prisão no Reino Unido após acordo com governo norte-americano

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, deixou a prisão nesta segunda-feira (24) após realizar um acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. O ativista estava detido no Reino Unido há cinco anos e decidiu se declarar culpado em troca da liberdade. A informação foi divulgada pela conta do WikiLeaks no X.

“O Tribunal Superior de Londres concedeu-lhe liberdade sob fiança e ele foi liberado no aeroporto de Stansted à tarde, onde embarcou em um avião e partiu do Reino Unido”, detalhou a plataforma onde foram publicados milhares de documentos dos Estados Unidos, motivo pelo qual Assange foi perseguido por anos por Washington.

O ativista e jornalista australiano estava preso em uma penitenciária nos arredores de Londres nos últimos cinco anos e antes do acordo lutava contra sua extradição para os Estados Unidos, onde é acusado de ter feito a maior revelação de documentos secretos do governo norte-americano.

“Após mais de cinco anos em uma cela de 2×3 metros, isolado 23 horas por dia, ele em breve se reunirá com sua esposa Stella Assange e seus filhos, que só conheceram o pai atrás das grades”, informou a plataforma fundada por Assange.

Assange, de 52 anos e que está doente, foi acusado em maio de 2019 de conspirar com Chelsea Manning para obter documentos oficiais e publicá-los em sua plataforma WikiLeaks. Formalmente, ele é acusado de divulgar informações sigilosas do governo dos Estados Unidos, pelo qual poderia ser condenado a uma pena de 175 anos de prisão.

“As ações de Assange causaram um grave dano à segurança nacional dos Estados Unidos em benefício de nossos adversários e colocaram as fontes humanas não redigidas em risco grave e iminente de dano físico grave e/ou detenção arbitrária”, disse na época o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

No entanto, em março passado, fontes próximas ao caso declararam ao The Wall Street Journal que as 18 acusações que o australiano enfrenta poderiam ser reduzidas a manipulação indevida de informações oficiais, um delito considerado menor no código penal dos Estados Unidos.

O fundador do WikiLeaks foi preso na embaixada do Equador em Londres em abril de 2019, depois que o governo do país latino-americano retirou seu asilo. A plataforma confirmou que a defesa do ativista australiano conseguiu um acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, que ainda não foi finalizado.

O relatório disse que os promotores federais dos EUA recomendam que Assange receba uma sentença de prisão de 5 anos como parte do acordo de confissão, mas ele não será obrigado a passar tempo em uma prisão dos EUA diante do “crédito” pelos cinco anos que passou detido no Reino Unido.

Categorias
Opinião

Em derretimento acelerado, bolsonarismo bate cabeça e faz Bolsonaro e Malafaia baterem de frente

O fisiologismo instantâneo sempre foi a marca dos caciques do bolsonarismo e, com isso, o que não falta é casca de banana para criar propostas que batam de frente com outras da mesma falange.

Esse é o caso mais recente, que acabou por colocar Bolsonaro e Malafaia em lados opostos.

Em sua live, Malafaia excomunga a jogatina, enquanto Bolsonaro sonha não só em transformar Fernando de Noronha numa Las Vegas brasileira, como reproduzir a mesma receita para as tais praias privatizadas. Flávio Bolsonaro é o testa de ferro dos dois projetos do pai.

Quem viu Malafaia na sua mais recente live, assistiu a um histérico se descabelando contra os jogos, quaisquer jogos, seja bingo, carteado, caça-níqueis, e por aí vai.

A coisa foi tão séria que Malafaia se aliou à OMS, tida como comunista e inimiga internacional de Bolsonaro, para dizer que Organização Mundial da Saúde trata a jogatina como doença mental, altamente perigosa, que pode levar quem mergulha nesse universo ao aniquilamento total.

Assim, no ponto em que Malafaia e Bolsonaro acham essencial de forma inversa, dá para ver que o barata voa, depois da derrota de Bolsonaro para Lula, dentro do PL e congêneres, só aumenta e não tem hora, nem sinal para acabar.

Categorias
Política

Lula após encontros com FHC e Chomsky: “Tenho grande carinho”

O presidente Lula aproveitou viagem a SP para os encontros. E postou no X: “Pessoas pelas quais tenho grande carinho”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) visitou na manhã desta 2ª feira (24.jun.2024), em São Paulo, o escritor Raduan Nassar e o linguista Noam Chomsky. Já no início da tarde, fez uma visita ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Os 3 compromissos foram reservados e não estavam na agenda oficial do petista. Em seu perfil no X (ex-Twitter) Lula compartilhou fotos das visitas e disse ter se encontrado com 4 pessoas pelas quais possui um “grande carinho”.

Categorias
Política

Desfecho iminente: Wajngarten, ex-secretrário de Comunicação de Bolsonaro, será indiciado pela PF no caso das joias

Os indiciamentos devem ser oficializados entre esta segunda-feira (24) e amanhã.

Fábio Wajngarten, ex-chefe da Secretaria de Comunicação (Secom) no governo Bolsonaro e atualmente um dos principais auxiliares do ex-presidente, será indiciado pela Polícia Federal (PF) em um dos inquéritos que investigam ações do ex-presidente.

Como informa Lauro Jardim, em O Globo, o foco do indiciamento é o caso das joias que Bolsonaro recebeu como presente durante seu mandato e que foram compradas e recompradas ilegalmente nos Estados Unidos.

O indiciamento de Wajngarten e de vários outros auxiliares de Bolsonaro, incluindo o ex-ajudante de ordens Mauro Cid, deve ser oficializado entre esta segunda-feira (24) e amanhã.

Wajngarten se defendeu das acusações, alegando perseguição política:

Não pode haver qualquer indício contra mim. Soube da venda das joias pela imprensa. Só, e apenas aí, é que entrei no caso para cuidar da área de comunicação.

Categorias
Mundo

Rússia convoca embaixadora dos EUA após ataque ucraniano na Crimeia

Kremlin alerta que ofensiva terá resposta, mas não especificou qual.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia convocou a embaixadora dos Estados Unidos no país, Lynne Tracy, nesta segunda-feira (24) para dizer a ela que Moscou culpa o tanto os EUA quanto a Ucrânia por um ataque mortal com mísseis na cidade de Sebastopol, na Crimeia.

Ela enfrentou acusações de que os EUA estão “travando uma guerra híbrida contra a Rússia e, na verdade, se tornou parte do conflito”.

“Tais ações de Washington não ficarão sem resposta. Definitivamente haverá medidas de resposta”, alertou o ministério russo em uma declaração.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse a repórteres sobre o ataque que “deveriam perguntar aos meus colegas na Europa, e acima de tudo em Washington, os secretários de imprensa, por que seus governos estão matando crianças russas. Basta fazer esta pergunta a eles”.

Ao menos duas crianças foram mortas no ataque a Sebastopol no domingo (23), de acordo com autoridades russas.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse a repórteres sobre o ataque que “deveriam perguntar aos meus colegas na Europa, e acima de tudo em Washington, os secretários de imprensa, por que seus governos estão matando crianças russas. Basta fazer esta pergunta a eles”.

Ao menos duas crianças foram mortas no ataque a Sebastopol no domingo (23), de acordo com autoridades russas.

Categorias
Política

Crescem assinaturas em apoio ao PL do Estupro na Câmara

Projeto de lei agora conta com 56 assinaturas de deputados, entre novos parlamentares, única mulher é Silvia Waiãpi (PL-AP).

esde que o PL do Estupro foi aprovado para tramitar em regime de urgência na Câmara dos Deputados, a lista de autores ganhou o apoio de outros 24 deputados. Com as novas assinaturas, o PL 1904/24 conta agora com 56 parlamentares.

Dos novos deputados que agora apoiam o projeto, a única mulher é Silvia Waiãpi (PL-AP), deputada federal que teve seu mandato cassado na última quarta-feira (19) por supostamente gastar verba eleitoral com procedimentos estéticos.

PL é o partido com mais autores do projeto; União Brasil e Republicanos vêm depois. São 36 parlamentares do Partido Liberal, cinco do União Brasil, quatro do Republicanos, três do MDB, três do PP, uma do PSDB, uma do Podemos, uma do PSD, uma do Avante e uma do PRD.

Manifestações contra PL do Estupro
A movimentação do PL do Estupro reacendeu discussões sobre o tema no país. Desde que foi votada a urgência no Câmara, ativistas feministas e pelos direitos humanos vem realizando manifestações nas principais cidades do país.

Enquanto o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), José Hiran da Silva Gallo, reforçava o posicionamento contrário à assistolia fetal — procedimento abortivo usado após 22 semanas de gravidez –, instituições de direitos humanos como a Comissão Arns e jurídicas como uma comissão da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) publicaram notas de repúdio a respeito do PL do Estupro.

Desistência evangélica
A única desistência após a repercussão foi a da deputada Renilce Nicodemos (MDB-PA), pertencente tanto a bancada evangélica quanto a base de apoio ao governo. Nicodemos pediu para ser retirada da lista após saber que a pena as mulheres vítimas de estupro podem chegar a ter uma pena maior que a de seus estupradores com o PL.

Apesar de contar com 56 autores, o PL é encabeçado pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ). Cavalcante assume que o projeto pode passar por ajustes e que está aqui para “ser debatido”, segundo o ICL.

“O projeto está aí para ser debatido, para ser ajustado, para ser corrigido, se tiver alguma coisa para ser corrigido, no entendimento de 512 parlamentares”, afirmou o deputado sobre a possibilidade de adiamento de votação e a criação da comissão para debater o PL.

Veja lista atualizada
Sóstenes Cavalcante (PL/RJ)
Mauricio Marcon (PODE/RS)
Sargento Fahur (PSD/PR)
Sargento Gonçalves (PL/RN)
Cabo Gilberto Silva (PL/PB)
General Girão (PL/RN)
Zé Trovão (PL/SC)
Delegado Fabio Costa (PP/AL)
Coronel Assis (UNIÃO/MT)
Marcos Pollon (PL/MS)
Pastor Diniz (UNIÃO/RR)
Messias Donato (Republicanos/ES)
Delegado Paulo Bilynskyj (PL/SP)
Junio Amaral (PL/MG)
Frederico (PRD/MG)
Delegado Palumbo (MDB/SP)
Eduardo Bolsonaro (PL/SP)
André Fernandes (PL/CE)
Coronel Chrisóstomo (PL/RO)
Gustavo Gayer (PL/GO)
Julia Zanatta (PL/SC)
Cristiane Lopes (UNIÃO/RO)
Nikolas Ferreira (PL/MG)
Pezenti (MDB/SC)
Franciane Bayer (Republicanos/RS)
Simone Marquetto (MDB/SP)
Rodrigo Valadares (UNIÃO/SE)
Filipe Barros (PL/PR)
Bibo Nunes (PL/RS)
Mario Frias (PL/SP)
Silvia Waiãpi (PL/AP)
Fred Linhares (Republicanos/DF)
Capitão Alden (PL/BA)
Abilio Brunini (PL/MT)
Evair Vieira de Melo (PP/ES)
Delegado Ramagem (PL/RJ)
Marcelo Moraes (PL/RS)
Eros Biondini (PL/MG)
Delegado Caveira (PL/PA)
Greyce Elias (AVANTE/MG)
Dayany Bittencourt (UNIÃO/CE)
Gilvan da Federal (PL/ES)
Rodolfo Nogueira (PL/MS)
Bia Kicis (PL/DF)
Adilson Barroso (PL/SP)
Filipe Martins (PL/TO)
Coronel Fernanda (PL/MT)
Dr. Luiz Ovando (PP/MS)
Delegado Éder Mauro (PL/PA)
Carla Zambelli (PL/SP)
Pastor Eurico (PL/PE)
Paulo Freire Costa (PL/SP)
Lêda Borges (PSDB/GO)
Eli Borges (PL/TO)
Ely Santos (Republicanos/SP)
José Medeiros (PL/MT)

Ely Santos (Republicanos/SP)

José Medeiros (PL/MT)

Categorias
Opinião

Feliciano defende pastores pedófilos e estupradores: quem nunca errou?

Neste último domingo, já havia ficado assombrado com a produção e variedade de picaretagens envolvendo o dito pastor Valdemiro. Claro, achei que aquilo era o coroamento do absurdo.

O sacripanta, numa espécie de regime religioso autoritário, disse aos fieis, a doação de vocês tem que ser além dos 10%, porque esses 10 % não são de vocês, são de Deus, vocês não podem sequer tocar nesse dinheiro. A oferta tem que ser além desses 10%, aí sim, é dinheiro de vocês.

Isso dá a dimensão da catástrofe humana que esse tipo de vigarista causa a uma sociedade, sem ser incomodado pela justiça, porque utiliza a liberdade religiosa para cometer crime contra a economia popular quando, na verdade, o sujeito se comporta como qualquer contraventor, utilizando a fé das pessoas, que se transformam em vítimas dessa escumalha de pastores charlatães.

Ledo engano de minha parte. Mais tarde, assisto a um vídeo, no link abaixo, do deputado, o pastor Marcos Feliciano defendendo a “honra” de pastores pedófilos e estupradores, dizendo ao entrevistador que ele não era Deus e nem pastor para julgar os pastores criminosos.

Ou seja, Feliciano, com uma fala mansa, dá um tom que ultrapassa o sarcasmo, fugiu, inclusive das políticas ideológicas da extrema direita para tratar de “aspectos” da alma humana, que é, vejam só que coisa tocante, errante por natureza, no famoso, quem nunca?

Feliciano disse isso como quem declama um poema, de tanta docilidade com que tratou os pastores estupradores, apresentando-se às pessoas como um monumento à canalhice.

No final das contas, o pilantra vendia a imagem de um desses pastores, que deveria estar na cadeia, como alguém de trajetória sofria e que, por isso, não deveria ser julgado.

Lógico, novamente, nos vem o inquieto questionamento, aonde estávamos e estamos como civilização para aceitar que esse cara se criasse, virasse deputado federal, sem que a justiça o alcançasse?

Obs. o que ficou nítido é que na defesa obsessiva de Marcos Feliciano, estava a aflição de quem tem muitos pastores para serem defendidos desses mesmos crimes, praticados contra crianças e mulheres.

https://x.com/GugaNoblat/status/1804999104843636900

Categorias
Política

Câmara debateu liberdade de expressão só com bolsonaristas e pastores

Bolsonaristas e pastores dominaram o seminário dos desafios regulatórios do ecossistema digital que aconteceu na Câmara dos Deputados.

Deputados bolsonaristas e pastores dominaram o painel de liberdade de expressão no seminário dos desafios regulatórios do ecossistema digital, com foco na liberdade de expressão, que aconteceu na Câmara dos Deputados na última quarta-feira (19/6). Os parlamentares convidaram dois pastores para debater o tema.

O debate contou apenas com a opinião da base bolsonarista sobre a regulamentação de mídias, ou seja, avesso à regulação de redes sociais e streamings.

Os escolhidos para debaterem o tema foram os deputados Silas Câmara, do Republicanos do Amazonas, e Cezinha de Madureira, do PSD de São Paulo. Os dois levaram os bispos JB Carvalho, da igreja Comunidade das Nações, e Robson Rodovalho, da Sara Nossa Terra.

Categorias
Opinião

Todos os corruptos de peso da política nacional são aliados de Bolsonaro

O doce mundo do cinismo é habitado por milhões de brasileiros, sobretudo os de mais escolaridade e de classe média para riba.

Bolsonaro é um produto político que causa as mais variadas doenças de corrupção. Ou seja, o sujeito é um produto tóxico naquilo que o país pode ter de pior.

Dentro do Brasil, o bolsonarismo é uma espécie de aldeia global da corrupção, nele habitam, Valdemar da Costa Neto, Sergio Moro, Roberto Jefferson, Deltan Dallagnol, Eduardo Cunha, Aécio Neves Michel Temer, e por aí vai.

A corrupção no mundo bolsonarista é quase uma doença circulatória, uma espécie de monóxido de carbono, que atinge os pulmões e o coração da vida nacional.

Nessa mesma ceara, estão personagens históricos da mixórdia, como Fernando Collor, filhos de Januário da Lava Jato, filhos de Bolsonaro do Vivendas da Barra, a milícia representada por Adriano da Nóbrega, Fabrício Queiroz, Ronnie Lessa, sem falar daquela papa bolsonarista do Congresso, que vive falado em Deus, mas acende vela para o diabo.

Mas o fenômeno que compõe esse produto cem por cento podre, não existiria sem o auxílio luxuoso de uma mídia industrial tão corrupta quanto, patrocinada pelo que há de pior no último andar da pirâmide política e social e, por isso, esteve e continua par e passo com o bolsonarismo.

Ainda tem uma larga aura cinza de profissionais liberais, sobretudo médicos, além, lógico de muita gente embrenhada nos mais altos escalões do Estado brasileiro.

Na verdade, bolsonarismo é uma grande falange com enormes demônios e pequenos diabos. Mas o sujeito arrota moralidade, com todas as joias da Arábia tatuadas em seu corpo.

Categorias
Política

Brasil Paralelo mira Geografia e Ciências Sociais após curso que desinforma sobre História

Um dos objetivos da produtora é ocupar espaços nas escolas, universidades e na cultura com conteúdo ligado à direita conservadora

Amanda Audi, Agência Pública – Depois que reportagem da Agência Pública mostrou que o curso de história oferecido pela universidade particular Ítalo Brasileiro tem professores indicados pela Brasil Paralelo, a produtora divulgou que vai financiar cursos de História, Geografia e Ciências Sociais para estudantes de baixa renda para “formar a próxima geração de professores” do país. É a primeira vez que a produtora reconheceu que criou o conteúdo de um curso de licenciatura à distância em história.

A mensagem consta em um e-mail enviado a assinantes da produtora na manhã desta terça-feira, 18 de junho, horas depois da publicação da reportagem. A empresa pede que seus assinantes apoiem um projeto intitulado “Mecenas” para financiar a graduação de alunos de baixa renda. Segundo a produtora, 50 estudantes já tiveram a formação paga pelos apoiadores e uma nova turma deve ser aberta.

“Essa primeira turma já está perto de concluir a graduação”, diz um apresentador da produtora em vídeo. “Não queremos parar em apenas um curso, pretendemos desenvolver novas formações como Licenciatura em Geografia e Ciências Sociais”, continua a mensagem enviada a apoiadores.

O e-mail mente ao afirmar que “é proibido ser de direita nas universidades” e que o ensino das escolas brasileiras é “distorcido”. Por isso, segundo a empresa, a Brasil Paralelo decidiu fazer “algo mais efetivo do que documentários e cursos” e criou a graduação. Um vídeo mostra depoimentos emocionados de alunos que vão “ajudar o Brasil” como professores dos ensinos fundamental e médio.

Centro Universitário Católico Ítalo Brasileira, conhecida como Universidade Ítalo Brasileira

Reportagem mostrou como Brasil Paralelo é ligada a curso de História
Conforme a Pública revelou, o curso de História é oferecido pela universidade particular Ítalo Brasileiro e pode ter até mil novos alunos por ano. Os professores foram indicados pela própria produtora.

A grade curricular do curso abarca somente a visão cristã da História. Pontos importantes do passado brasileiro, como o genocídio indígena durante a colonização portuguesa ou a escravidão de povos africanos, são relativizados ou nem sequer mencionados. Um dos professores defende que historiadores “devem ter fé” e que livros religiosos são tão confiáveis quanto documentos históricos.

O curso foi aprovado pelo Ministério da Educação em 2019, primeiro ano do governo Jair Bolsonaro. O coordenador é Rafael Nogueira, que foi presidente da Biblioteca Nacional e hoje preside a Fundação Catarinense de Cultura. Ele, assim como os outros professores do curso, é monarquista e olavista.

No vestibular de 2022, a parceria entre o Ítalo e a Brasil Paralelo foi anunciada explicitamente no site do centro. No ano seguinte, porém, o site do curso não trazia nenhuma menção à produtora – ou seja, a ligação não ficava clara aos alunos que ingressaram na formação. A Brasil Paralelo também nunca havia divulgado oficialmente o curso em seus canais.

Como a Pública já mostrou, inspirada nas ideias do falecido guru bolsonarista Olavo de Carvalho, um dos objetivos da Brasil Paralelo é ocupar espaços nas escolas, universidades e na cultura com conteúdo ligado à direita conservadora. Ela reproduz um discurso sem embasamento de que esses locais foram apropriados pela esquerda.