Categorias
Política

Flávio Bolsonaro acessou cofre antes de pagar R$ 638 mil em dinheiro vivo por 2 imóveis

Senador mantinha cofre com o irmão Carlos Bolsonaro desde 2004 e foi ao local antes e depois de comprar e vender apartamentos.

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) acessou um cofre que mantinha com o irmão Carlos Bolsonaro (PL-RJ) em uma agência bancária do Banco do Brasil (BB), no Rio de Janeiro, um dia antes de pagar R$ 638 mil em dinheiro vivo na aquisição de dois apartamentos em 2012. Os dados foram descobertos pela coluna a partir de um cruzamento de informações das investigações que apuram peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa dentro do gabinete do vereador e também de todas as informações levantadas no procedimento que apurou os mesmos crimes no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio).

Os registros de acesso ao cofre constam em um relatório elaborado pelo Laboratório de Combate à Lavagem de Dinheiro e Corrupção do MP-RJ, obtido pela coluna com exclusividade, no âmbito da investigação do esquema de rachadinha no gabinete de Carlos. Nos documentos, o MP relata que outra pessoa alugou o cofre junto com o vereador, em 2004, mas tarja todos os dados para não identificar o outro titular. Pelas decisões recentes no Judiciário, Flávio não pode ser investigado na primeira instância como Carlos.

Contudo, a coluna investigou os dados na última semana e confirmou que o sócio de Carlos no cofre era seu irmão Flávio Bolsonaro, deputado estadual à época. Procurado pela coluna, o senador respondeu, por nota, que foi titular do cofre e disse que guardava “ítens pessoais” sem detalhar que objetos seriam esses. Negou relação de suas idas ao cofre com o dinheiro vivo usado para pagamentos. (Veja a nota completa no final)

A existência de um cofre em nome de Flávio Bolsonaro não havia sido descoberta nem mesmo pelos promotores que conduziram a investigação sobre seu esquema de rachadinha no MP-RJ. Até então, acreditava-se que a tarefa de fazer o fluxo de dinheiro vivo oriundo do esquema ficava a cargo exclusivamente do ex-assessor Fabrício Queiroz, pivô do escândalo no gabinete de Flávio. O senador, porém, admitiu que guardaria dinheiro casa, cerca de R$ 30 mil.

Os registros dos acessos ao cofre tarjam também a maioria das datas de acesso de Flávio ao espaço, localizado em uma agência do Banco do Brasil. No entanto, algumas não estavam tarjadas no documento e permitiram descobrir os acessos do agora senador em datas próximas a suas aquisições de apartamentos em 2012.

Na quarta-feira (3), a coluna revelou que Carlos Bolsonaro também esteve no cofre horas antes de adquirir um apartamento em Copacabana por R$70 mil.

Categorias
Saúde

Inclusão de atenção a pessoas com síndrome de Burnout no SUS é aprovada na Câmara

Proposta foi analisada em caráter conclusivo e seguirá para o Senado caso não haja recurso.

Um projeto de lei que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Síndrome de Esgotamento Profissional (SEP) no Sistema Único de Saúde (SUS) foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

O projeto tramitou em caráter conclusivo e deverá seguir para o Senado caso não haja recurso para votação em Plenário.

De acordo com o projeto, a síndrome de esgotamento profissional, também conhecido como burnout, se caracteriza em três dimensões:

  • Sentimentos de exaustão ou esgotamento de energia
  • Aumento do distanciamento mental do próprio trabalho, ou
  • sentimentos de negativismo ou cinismo relacionados ao próprio trabalho; e
  • Redução da eficácia profissional.

O texto estabelece que o poder público precisar implementar formas de prevenção e diagnóstico precoce, capacitação permanente de profissionais de saúde e promoção de estudos e pesquisa. Além de fomentar a produção e divulgação de dados sobre a síndrome.

Também determina parceria entre entes públicos e privados para realização de uma semana, sempre no dia 15 de outubro, em que se realiza atividades de conscientização. Todas essas campanhas deverão tratar da importância e o direito de um ambiente seguro e saudável para todos os trabalhadores.

Categorias
Política

Joias: PGR não descarta mais investigações contra Bolsonaro

Tempo extra seria bem-vindo pela defesa do ex-presidente; denúncias devem ficar para depois das eleições.

Depois que a Polícia Federal (PF) indiciou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e mais 11 pessoas no caso das joias sauditas, a Procuradoria-Geral da República (PGR) agora avalia se aceita o indiciamento e oferece a denúncia, ou se solicita mais elementos da investigação.

Os próximos passos no Ministério Público envolvem analisar se os elementos apresentados pela PF são suficientes ou se são necessários mais detalhes. Não se descarta a possibilidade de o próprio MP conduzir novas investigações sobre o caso.

Bolsonaro foi indiciado por peculato, associação criminosa e lavagem de dinheiro. As penas para esses crimes são:

  • peculato: reclusão de 2 a 12 anos e multa;
  • associação criminosa: reclusão de 1 a 3 anos;

lavagem de dinheiro: reclusão de 3 a 10 anos e multa.
Mais investigações na PGR significam mais tempo para os advogados do ex-presidente se prepararem para a defesa.

Com base no texto da Polícia Federal, é esperado que a denúncia contra Jair Bolsonaro e os outros 11 indiciados ocorra após as eleições de 2024. Há o entendimento de que a antecipação de uma denúncia contra o ex-presidente possa influenciar o pleito de outubro.

*Blog do Noblat

Categorias
Política

Cantor Sérgio Reis e outros bolsonaristas são acusados por atos antidemocráticos

Foram indiciados o cantor Sérgio Reis, o deputado federal Zé Trovão (PL-SC), o blogueiro Oswaldo Eustáquio e o ruralista Antônio Galvan

O cantor Sérgio Reis, o deputado federal Zé Trovão (PL-SC), o blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio e o ruralista Antônio Galvan entraram para a lista de acusados por atos antidemocráticos, no 7 de setembro de 2021.

A lista também envolveu outras 9 pessoas, que naquele ano defenderam o fechamento de estradas e a derrubada do Supremo Tribunal Federal (STF). Entre eles, o blogueiro bolsonarista, Oswaldo Eustáquio, que já foi alvo de pedido de prisão pelo inquérito das milícias digitais e Fake News, e o ruralista aliado de Bolsonaro, Antônio Galvan, que também foi acusado de financiar a tentativa de golpe de 8 de janeiro.

A informação foi divulgada em coluna de Aguirre Talento, no Uol. Segundo coluna de Aguirre Talento, no Uol, Sérgio Reis e Zé Trovão foram acusados pela então Lei de Seurança Nacional, que criminaliza a tentativa de impedir o livre exercício dos Poderes. Eles também foram acusados de incitação ao crime e associação criminosa.

Em 2021, bolsonaristas convocaram nas redes sociais manifestações antidemocráticas para o dia 7 de setembro. Um dos personagens envolvidos, o deputado Zé Trovão chegou a ser alvo de pedido de prisão, mas ficou 1 mês foragido. E em 2022, ele foi eleito deputado federal, ainda utilizando tornozeleira eletrônica.

No mês passado, a investigação, que está sob sigilo, teve encaminhamentos, com o inquérito da Polícia Federal sendo enviado à Procuradoria-Geral da República. Caberá à PGR decidir se eles serão denunciados. À coluna do Uol, eles informaram que não foram notificados oficialmente e não tinham conhecimento.

*GGN

Categorias
Opinião

Quando Bolsonaro disse uma única verdade?

Se pedir para Bolsonaro repetir as inúmeras versões dele sobre sua proximidade com Ronnie Lessa, assassino de Marielle e vizinho de Bolsonaro, ele ficará mudo, porque é um mentiroso de improviso, até nisso o sujeito é preguiçoso.

Não é sem motivos que Bolsonaro se diz liberal, a favor do Estado mínimo, mas nunca trabalhou na vida, sem dizer que, não bastasse isso, colocou todos os filhos rachadores para viver das tetas gordas do Estado.

Não é uma coisa ruim, certamente, é a família que coleciona a maior quantidade de mansões surrupiadas dos cofres públicos, já que não produzem nada para o país.

No caso das joias, Bolsonaro mentiu tanto que não teve como se defender, como muito bem lembrou o jornalista, Ricardo Noblat.

“Bolsonaro mente muito e por isso mente mal. No caso das joias, afirmou que “não pediu, nem recebeu” os presentes. Já disse que seus assessores tinham “autonomia” para agir. Declarou que os presentes não entraram “escondidos” no país. Mas quando foi prestar depoimento na PF, ficou em silêncio.”

Categorias
Política

“Quem achar que Lulinha está cansado, pergunte à dona Janja”, diz Lula

Em evento em SP, Lula rebateu críticas de que estaria cansado; presidente está em viagem há 1 semana: “quero ver quem aguenta o meu ritmo”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) rebateu nesta sexta-feira (5/7), críticas de que estaria “cansado”. “Quero ver se quem fala que eu estou cansado, que está sentado com a bunda na cadeira escrevendo, se tem coragem de levantar e ir para a rua para andar”, disse Lula durante inauguração do novo campus da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em Osasco, na Grande São Paulo.

O presidente está em viagem há uma semana, inaugurando obras no Sudeste e no Nordeste. Ele viaja ao Paraguai e à Bolívia neste fim de semana.

“Então, se alguém achar que o Lulinha está cansado, pergunte à dona Janja. Ela é testemunha ocular. Quando falo que tenho 70 anos de idade, energia de 30 e tesão de 20, estou falando com conhecimento de causa”, disse o presidente.

Ele ainda postou no X (antigo Twitter): “Para quem acha que eu estou cansado, acompanhem a minha rotina, a minha agenda, vejam os eventos, transmissões, reuniões, viagens de trabalho. Quero ver quem aguenta o meu ritmo”.

“Economia não vai quebrar”
Na mesma agenda pública, Lula disse que “a economia não vai quebrar” porque seu governo tem responsabilidade fiscal e social.

“Os comentaristas políticos falam: ‘o Lula fala demais’. Que bom que eu falo demais, porque houve um tempo em que eu não falava. Não adianta criar caso comigo. Não adianta falar de responsabilidade fiscal. Porque se tem uma coisa que eu aprendi com dona Lindú [mãe do presidente] foi ter responsabilidade fiscal. Cuidar do meu pagamento, do meu salário, da minha família. E hoje minha família é o Brasil. São 213 milhões de filhos que temos que cuidar”, disse o presidente.

“Só vai dar certo se a economia estiver arrumada. Se a gente fizer igual àquela pessoa que joga dinheiro fora no cartão de crédito, a economia vai quebrar. E, no meu governo, não vai quebrar. Porque nós temos responsabilidade de cuidar desse país”, completou Lula.

A declaração do presidente se dá em um momento em que o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, atua para apaziguar os ânimos entre Lula e o mercado financeiro, após uma série de críticas do petista ao presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, por causa da taxa de juros.

Categorias
Opinião

Indo de herói nacional a cocô do cavalo do bandido, Moro defende Bolsonaro no roubo das joias

Moro, definitivamente, transformou-se, de herói da mídia a limpa-trilhos de fezes de um rato. E não tem feito isso em nenhum esconderijo, na verdade, ele evidencia para ver se consegue, inutilmente, restabelecer um pouco sua simpatia no universo do bolsonarismo.

Todas as defecadas de Bolsonaro, Moro recolhe e põe um laço de fitas e, mesmo diante de uma infestação de crimes do clã Bolsonaro, descobertos pela PF, Moro não se faz de rogado para encontrar um jeito de ao menos ser o cocô do cavalo desse bandido, nesta quinta (4), foi assim.

Categorias
Política

Carlos Bolsonaro não pagou plano de saúde com a própria conta por 9 anos, diz MP

Amostragem do MP encontrou boleto pago por assessora que devolveu R$ 832 mil.

Um relatório do Laboratório de Combate à Lavagem de Dinheiro e Corrupção do MP-RJ, obtido pela coluna com exclusividade, constatou que o vereador Carlos Bolsonaro (PL-RJ) só pagou um boleto de plano de saúde com sua conta bancária em nove anos de contratação desse tipo de serviço.

Existe suspeita de que os pagamentos possam ter sido feitos em espécie com dinheiro oriundo de rachadinha. O mesmo se verificou no caso do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ). A coluna tentou contato com a defesa do vereador, mas não conseguiu retorno até a conclusão desta reportagem.

A análise aponta que Carlos Bolsonaro teve contratos ativos com duas operadoras entre 2011 e 2020 — a Qualicorp e a Unimed. O único pagamento encontrado ocorreu em dezembro de 2014, em uma fatura de R$ 545,97.

No documento, os analistas escrevem que “diante desta informação e com base na análise dos títulos de cobrança pagos, indicados nos extratos bancários de Carlos Bolsonaro, que tiveram o “nome_pessoa_od” (beneficiário) identificado pelas instituições financeiras, foi constatado somente 01 pagamento de boleto em 18/12/2014 no valor de R$ 545,97, cujo cedente foi Qualicorp Administradora de Benefícios”.

Como a coluna revelou, o MP constatou que o chefe de gabinete de Carlos, Jorge Fernandes, sistematicamente pagava as despesas pessoais do chefe. Em um trabalho de amostragem, o relatório encontrou 23 pagamentos entre 2012 e 2019. É mencionado ainda um pagamento para a Unimed, dessa vez feito pela esposa de Jorge Fernandes, Regina Celia Sobral Fernandes. Ela também era nomeada no gabinete de Carlos Bolsonaro e devolveu ao marido, apontado como operador da rachadinha, um total de R$ 832,4 mil.

Regina pagou R$ 954,48 para a operadora de saúde suplementar em novembro de 2018, segundo os dados obtidos pelo MP.

Peritos do MP veem possível crime de peculato
Diante dos fatos, os peritos do MP sugerem ao promotor responsável pela investigação que sejam requisitados os dados detalhados de pagamentos de plano de saúde à Qualicorp e à Unimed.

“Em se tratando de suposta prática do crime de peculato, caso o Promotor de Justiça entenda necessário para análise dos gastos declarados pelo investigado com plano privado de saúde, sugere-se que sejam oficiadas as pessoas jurídicas Qualicorp Administradora de Benefícios (CNPJ n.º 07.658.098/0001-18) e Unimed (CNPJ n.º 42.163.881/0001-01) para que informem se o investigado Carlos Nantes Bolsonaro (CPF n.º 096.792.087-61) possuiu de fato vínculo contratual de plano privado de saúde com as respectivas pessoas jurídicas, informando, ainda, o período contratual, as datas dos pagamentos, os valores pagos mensalmente e o banco responsável pela emissão dos boletos”, conclui o relatório.

O modus operandi é similar ao encontrado na investigação da rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro (PL-RJ), outro membro da família envolvido em denúncias de corrupção. No caso de Flávio, as despesas de sua família eram pagas pelo assessor Fabrício Queiroz — muitas vezes em dinheiro vivo na boca do caixa.

Além de despesas pessoais como plano de saúde e escola das filhas, Flávio também terceirizou o pagamento das prestações de 12 salas comerciais que adquiriu em 2008. Entre 2008 e 2009, o hoje senador quitou R$ 297 mil da compra dos imóveis, mas nada passou por sua conta bancária.

A 1ª Vara Criminal Especializada do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio) autorizou a quebra de sigilos fiscal e bancário de Carlos Bolsonaro e de seus assessores entre 2005 e 2021. A 3ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Especializada apura peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no gabinete de Carlos e pediu uma análise dos dados obtidos. O relatório obtido pela coluna é de 22 de agosto de 2023.

Categorias
Mundo

Quem é Keir Starmer, o trabalhista que virou o novo premiê do Reino Unido

Os britânicos foram às urnas na quinta-feira (4) em uma votação histórica para eleger um novo Parlamento e governo nas eleições gerais.

O Partido Trabalhista conseguiu uma vitória expressiva após os primeiros resultados nesta sexta-feira (5) e poderão indicar o próximo primeiro-ministro — que muito provavelmente será o líder Keir Starmer.

O país entra em uma nova era política com a derrota dos Conservadores, que estão há 14 anos no poder do Reino Unido.

Quem é Keir Starmer
Keir Starmer nasceu em Oxted, na Inglaterra, em 2 de setembro de 1962. Seu pai trabalhava como ferramenteiro em uma fábrica e sua mãe era enfermeira do NHS, o sistema público de saúde britânico.

Aos 18 anos, ingressou na Universidade de Leeds para estudar Direito, tornando-se o primeiro da família a ter ensino superior. Se formou em 1987.

Durante a carreira, representou pessoas condenadas à morte como advogado de direitos humanos.

Também prestou aconselhamento jurídico gratuito e trabalhou com o Sindicato Nacional dos Mineiros para evitar o fechamento de minas.

Starmer trabalhou na criação do Conselho de Polícia da Irlanda do Norte após o acordo da Sexta-Feira Santa — que deu fim a conflitos sangrentos pró-independência. Ele passou cinco anos como consultor jurídico do órgão.

Em 2008, se tornou chefe do Ministério Público do Reino Unido, comandando o Crown Prosecution Service, principal órgão que processa casos criminais que foram investigados pela polícia e outras agências no país.

Starmer recebeu o título de cavaleiro em 2014 por seus serviços prestados à Justiça criminal.

Em 2015, foi eleito pela primeira vez para o Parlamento, aos 52 anos.

Keir Starmer foi eleito líder do Partido Trabalhista do Reino Unido em 2020. À época, prometeu adotar políticas destinadas a melhorar a igualdade social, incluindo um aumento da alíquota máxima de imposto e um impulso aos serviços sociais.

Também se comprometeu a adotar ações mais fortes em relação às mudanças climáticas.

Ficou conhecido como um dos porta-vozes do Brexit dentro do partido Trabalhista.

Ele é casado com Victoria Starmer desde 2007, enfermeira do NHS com quem tem dois filhos.

Categorias
Política

Após pedir indiciamento de Bolsonaro nos casos das joias e vacina, PF pode concluir inquérito sobre trama golpista na próxima semana

Bolsonaro deve ser alvo de novos indiciamentos e desta vez por crimes considerados ainda mais graves pelos investigadores.

Após indiciar Jair Bolsonaro por peculato, associação criminosa e lavagem de dinheiro no caso das joias sauditas, a Polícia Federal prepara mais más notícias para o ex-presidente da República – e em breve.

Segundo a equipe da coluna da jornalista Malu Gaspar apurou, os investigadores pretendem concluir na próxima semana o relatório final de uma outra frente de apuração que pode complicar ainda mais a situação de Bolsonaro: a da trama golpista instalada no seio da antiga administração para impedir a posse de Lula.

Bolsonaro deve ser alvo de novos indiciamentos e desta vez por crimes considerados ainda mais graves pelos investigadores, como golpe de Estado e tentar, com emprego de violência ou grave ameaça, abolir o Estado democrático de direito.

As penas previstas, respectivamente, são de 4 a 12 anos e 4 a 8 anos de prisão.

O ex-presidente já havia sido alvo de pedidos de indiciamento por esses mesmos crimes no âmbito da CPI do 8 de Janeiro, que se encerrou em outubro do ano passado no Congresso Nacional.

Assim como no caso das joias sauditas, a delação premiada fechada pelo ex-ajudante de ordens Mauro Cid teve papel-chave nas investigações da PF.

Pelo cronograma que os policiais desenharam para o caso, o ex-presidente da República poderia ser condenado pelo plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) ainda no fim deste ano, em dezembro.

Mas para isso é preciso que a Procuradoria-Geral da República (PGR) aja com rapidez no caso, o que não parece ser a tendência no momento.

Entretanto, a equipe do procurador-geral da República, Paulo Gonet, teme a contaminação política das apurações e pretende atuar sem “açodamentos”, na tentativa de evitar acusações de atuação política no período eleitoral.

A apuração conduzida pela PF já mostrou que o ex-presidente conhecia uma minuta golpista e até encomendou mudanças na redação, retirando do texto a previsão de prisão do ministro do STF Gilmar Mendes e do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) – mas mantendo o encarceramento do ministro Alexandre de Moraes, considerado inimigo público número 1 pela militância bolsonarista.

A minuta já foi usada para embasar a condenação de Bolsonaro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), onde o ex-presidente foi declarado inelegível ao ser condenado por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação, em junho do ano passado.

O documento foi incluído pelo tribunal em uma ação que se debruçou sobre uma reunião com embaixadores convocada por Bolsonaro para atacar as urnas eletrônicas.

À época, um aliado de Bolsonaro avaliava que a inelegibilidade de Bolsonaro era só a “ponta do iceberg” de uma série de reveses que ainda viriam nas diversas instâncias judiciais. As investigações da Polícia Federal mostram que os temores eram justificados.